JESUS CRISTO VOLTARÁ.

POR MAIS LONGA E ESCURA E TENEBROSA A NOITE, NÃO TE DESESPERE O SOL VOLTARÁ A BRILHAR. POR MAIS DIFÍCIL A BATALHA NÃO TE DESESPERE JESUS CRISTO QUER TE DAR A VITÓRIA, SE ATENTAMENTE OUVIRES A VOZ DO SENHOR TEU DEUS E OBEDECER, O SENHOR TEU DEUS TE EXALTARÁ SOBRE TODAS AS NAÇÕES, ESTÁ DIFÍCIL VENCER A BATALHA, NÃO TEMAS SEJA OBEDIENTE A DEUS E A VITÓRIA É SUA. MAIS, NÃO ESQUEÇA JESUS CRISTO ESTÁ VOLTANDO ESTÁ PRONTO PARA SUA VOLTA. OS SINAIS ESTÃO SE CUMPRINDO, NÃO SEJA PEGO NU, PORQUE NÃO SERÁS ARREBATADO. A QUEM ESTÁ SEGUINDO, O MUNDO OU A JESUS CRISTO.

domingo, 15 de janeiro de 2017

ENTENDENDO OS DONS ESPIRITUAIS

JESUS CRISTO.


        ENTENDENDO OS DONS ESPIRITUAIS

   "A respeito dos dons espirituais, não quero, irmãos que sejais ignorantes. Sabeis que, outrora, quando éreis gentios, deixáveis conduzir-vos aos ídolos mudos, segundo éreis guiados. Por isso, vos faço compreender que ninguém que fale pelo ESPÍRITO de DEUS afirma: Anátema, JESUS! Por outro lado, ninguém pode dizer: SENHOR JESUS!, senão pelo ESPÍRITO SANTO. Ora, os dons são diversos, mas o ESPÍRITO é o mesmo. 'Mas um só e o mesmo ESPÍRITO realiza todas estas coisas, distribuindo-as, como lhe apraz, a cada um, individualmente.' 1 Coríntios 12.1-4,11".

          INTRODUÇÃO

   Esta lição abre uma série  de estudos sobre os dons espirituais, que é  o tema destas lições. Fazemos coro com Paulo quando afirmou: A respeito dos dons espirituais, "não quero, irmãos, que sejais ignorantes. 1 Coríntios 12.1"; e buscarmos na PALAVRA de DEUS a devida orientação em um assunto tão importante, porém, mal compreendido por uns e até evitado por outros. Apesar de ser polêmico, é vital para a Igreja. Em linhas gerais, seguiremos a orientação de Lida E. Knight, no livro: QUEM É VOCÊ NO CORPO DE CRISTO?. Nesta lição, estudaremos os aspectos introdutórios sobre o assunto, buscando uma compreensão mais ampla. Afinal, o que são e quando receberemos os dons espirituais? Qual é a diferença entre dons e talentos? E quais responsabilidades termos diante dos dons que não possuímos?

   1 - A OPERAÇÃO SOBERANA E GRACIOSA DO ESPÍRITO SANTO.

   Para iniciar a instrução aos irmãos de Corinto sobre os DONS ESPIRITUAIS, o apóstolo Paulo recorda qual era a condição deles antes de reconhecerem JESUS CRISTO como SENHOR e como eles receberam a Salvação.
   A - NA CONVERSÃO DOS PECADORES
   Paulo afirma que os coríntios sabiam que, antes da conversão deles, estavam fora da aliança de DEUS, eram gentios e também idólatras, pois a morte espiritual em que se encontravam haviam cegado o entendimento para que não percebessem que a devoção deles estava direcionada a uma grande falsidade, os ídolos "Sabeis que, outrora, quando eram gentios, deixáveis conduzir-vos aos ídolos mudos, segundo éreis guiados. 1 Coríntios 12.2", veja também a lista de vícios e pecados da vida anterior. "Ou não sabeis que os injustos não herdarão o reino de DEUS? Não vos enganeis: Nem impuros, nem idolatras, nem adúlteros, nem afeminados, nem sodomitas, nem ladrões, nem avarentos, nem bêbados, nem maldizentes, nem roubadores herdarão o reino de DEUS. Tais foram alguns de vós; mas vós vos lavastes, mas fostes santificados, mas fostes justificados em o nome do SENHOR JESUS CRISTO e no ESPÍRITO DE NOSSO DEUS. 1 Coríntios 6.9-11".
   Contudo, o apóstolo Paulo os recorda de que, assim como ninguém pode blasfemar o nome de CRISTO, estando sob a graça  e movido pelo ESPÍRITO SANTO, do mesmo modo, ninguém reconhece JESUS como SENHOR se não for movido pela graça do mesmo ESPÍRITO com isso, Paulo ressalta aos coríntios que eles só se tornaram cristãos porque foram salvos da idolatria e da blasfêmia, graças à obra do ESPÍRITO SANTO na mente e no coração Mediante esse ato de graça, eles reconheceram JESUS como o CRISTO, o SENHOR SOBERANO.
   B - NA DISTRIBUIÇÃO DOS DONS AOS CONVERTIDOS
   Esclarecida a conversão dos coríntios e seu ingresso na realidade cristã, pela obra do ESPÍRITO SANTO o apóstolo Paulo, então, afirma que a diversidade dos dons espirituais na Igreja é fruto do mesmo ESPÍRITO, que atua com poder eficaz sobre todos os convertidos. Ao declarar; "Ora, os dons são diversos, mas o ESPÍRITO é o mesmo. 1 Coríntios 12.4", o apóstolo indica que há uma continuidade na obra do ESPÍRITO SANTO nos convertidos. Devido esta continuidade, a Igreja existe e sendo alvo da ação do ESPÍRITO SANTO. À medida que ela desempenha esses dons, o ESPÍRITO se torna mais evidente, pois ele atua em antigos blasfemadores, que hoje são genuínos filhos de DEUS. em "Mas um só e o mesmo ESPÍRITO realiza todas estas coisas, distribuindo-as, como lhe apraz, a cada um, individualmente. 1 Coríntios 12.11", o apóstolo Paulo mostra que os dons espirituais presentes na Igreja de Coríntios eram frutos da ação do ESPÍRITO. Ele havia distribuído a cada um dos crentes, individualmente, os dons que desejam conceder, segundo a sua soberana e graciosa vontade.
   Portanto, percebemos que era para compreender o que são os DONS ESPIRITUAIS temos que começar pela OPERAÇÃO SOBERANA E GRACIOSA DO ESPÍRITO SANTO, pois assim como este traz aos pecadores que quer à FÉ no FILHO de DEUS, assim também ele continua a operar em cada um dos pecadores convertidos e santificados. Ele concedeu a cada um os dons que quis, tornando a Igreja o palco da atuação diversificada e interdependente dos dons espirituais.

   2 - A NATUREZA ESSENCIAL DO DOM ESPIRITUAL

   Depois de termos visto como o apóstolo Paulo introduz este tema, ao explicá-lo na sua primeira carta aos Coríntios, vejamos qual é o significado específico e teologicamente correto para o termo DOM ESPIRITUAL.
   A - DOM ESPIRITUAL COMO DÁDIVA
   A palavra DOM nos faz lembrar de uma dádiva, algo recebido e não conquistado, um presente e não uma compra. A palavra grega traduzida por "DOM " é cbarisma da raiz cbaris, cuja tradução é graça. Logo, com base na origem da palavra, vemos que DOM ESPIRITUAL é uma graça divina, recebida e não merecida; a distribuição dos dons espirituais, portanto, é algo exclusivo da competência e soberania divinas.
   todo cristão recebe dons espirituais segundo a vontade exclusiva do ESPÍRITO SANTO "Mas um só e o mesmo ESPÍRITO realiza todas estas cousas, distribuído-as, como lhe apraz, a cada um, individualmente. 1 Coríntios 12.11" em número, tipo e potencialidade de desenvolvimento singular, o que faz de cada um de nós uma pessoa única e individualmente importante para o pleno desenvolvimento da igreja de DEUS "E Ele concedeu uns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas e outros para pastores e mestres, com vistas ao aperfeiçoamento dos santos para o desempenho do seu serviço, para a edificação do corpo de CRISTO. Efésios 4.11-12", aprendemos que a razão de termos recebido tais dádivas é a edificação da Igreja por meio do exercício mútuo, ou seja, os dons nos foram dados para serem usados para a edificação da comunidade e, assim, no pleno uso e serviço, toda Igreja é edificada. Os dons espirituais são duplamente dádivas - na recepção - pois nos foram doados - e no uso - pois quando exercitados, se dirigem ao próximo, que é o seu objeto de ação.
   B - DOM ESPIRITUAL COMO CAPACITAÇÃO
   A palavra ESPIRITUAL nos lembra a origem e a natureza dos dons, que não são apenas sobrenaturais, mas que também são dádivas do ESPÍRITO SANTO,  que é a origem operante dos dons. Em um certo sentido, poderíamos dizer que tudo o que temos é dom espiritual, pois recebemos tudo da parte de DEUS. Contudo, quando falamos em DONS ESPIRITUAL, no contexto das CARTAS APOSTÓLICAS, falamos das capacitações especiais que o ESPÍRITO SANTO concede aos que ele mesmo converte. Os convertidos trazem consigo a operação divina que visa ao estabelecimento do REINO de DEUS sobre a terra por meio da implantação e edificação da Igreja do SENHOR. Alguns dons tem similaridade com talentos naturais, outros não.
   Portanto, DONS ESPIRITUAIS são dádivas do ESPÍRITO SANTO concedidas aos cristãos. Esses dons só serão corretamente usados quando carregarem objetivo de seu autor, a edificação mútua da Igreja do SENHOR e, sobretudo, a glória de DEUS por intermédio da implantação do seu reino.

   3 - DOM ESPIRITUAL À LUZ DE TALENTO NATURAL

   Resta-nos observar os DONS ESPIRITUAIS e as outras dádivas e TALENTO NATURAIS que DEUS concede aos homens, desenvolvidos e empregados exclusivamente na Igreja do SENHOR e por cristãos.
   A - ENTENDENDO OS TALENTOS NATURAIS
   Talentos são habilidades naturais que DEUS, na sua graça  Comum, concede aos homens em geral. Os talentos estão relacionados às atividades corriqueiras da vida, tanto no Âmbito profissional, quanto ao entretenimento e nos relacionamentos humanos. Pela graça de DEUS, a humanidade tem condições de desenvolver virtudes tais como as artes (MÚSICA, PINTURA, ESCULTURA, etc.), a manutenção do convívio social (RESPEITO MÚTUO, LEIS, MAGISTRADOS, etc.), o desenvolvimento social (EDUCAÇÃO, TECNOLOGIA, INFRA-ESTRUTURA, etc.) e outras questões relativas ao convívio humano.
   Contudo, não é pelo fato de usarmos tais capacidades no âmbito da Igreja que faz com que elas devam ser consideradas DONS ESPIRITUAIS; devem, sim, ser usadas para a glória de DEUS, como tudo o mais que devemos fazer em nossa vida, como convém ao cristãos "Portanto, que comais, que bebais ou façais outra cousa qualquer, fazei tudo para a glória de DEUS. 1 Co 10.31"; "Em tudo o que fizerdes, seja em palavra, seja em ação, fazei-o em nome do SENHOR JESUS, dando por Ele graças a DEUS PAI. Colossenses 3.17". Algumas dessas habilidades podem ser utilizadas na Igreja, como até mesmo no culto, tais como a capacidade estética e a visão arquitetônica na construção de um prédio religioso; ou ainda, o devido uso da capacidade musical na condução dos hinos e cânticos entoados a DEUS por ocasião do culto público. Contudo, ainda assim, isto não os torna DONS ESPIRITUAL.
   O que qualifica algo como dom espiritual não é o propósito do seu uso ( A GLÓRIA DE DEUS), o agente humano do dom (O CRISTÃO), o âmbito do seu exercício (A IGREJA) nem um resultado positivo (A BELEZA, POR EXEMPLO); mais podemos qualificar algo como DOM ESPIRITUAL, observando quatro características:
   1 - A confirmação bíblica da assistência sobrenatural do ESPÍRITO SANTO sobre uma determinada atividade.
   2 - A contribuição indispensável na implantação do REINO DE DEUS na TERRA.
   3 - A capacitação especial concedida aos convertidos, que pode ser verificada e confirmada pala Igreja em seu uso comum. 
   4 - E sobretudo, a contribuição para a expansão da GLÓRIA DE DEUS.
   B - ENTENDENDO OS DONS ESPIRITUAIS
   Diferente dos talentos naturais, verificamos que apenas os cristãos têm dons espirituais, visto que são frutos da graça de DEUS operante apenas nos eleitos, e estão relacionados exclusivamente a edificação da Igreja do SENHOR. Realmente, temos que reconhecer aquele elemento sobrenatural que torna uma aula edificante por alguém com o dom de ensino, ao passo que o mesmo resultado não é verificado quando ministrado por alguém que tenha apenas a qualificação profissional para o mesmo.
   Considerando a sabedoria infinita de DEUS, o mais comum é que ele conceda dons espirituais compatíveis com as habilidades naturais interiormente entregues, embora essa não seja uma regra absolutas, apenas uma definição logicamente provável. Segundo "Mas um só e o mesmo ESPÍRITO realiza todas estas cousas, distribuído-as, como lhe apraz, a cada um, individualmente. 1 Coríntios 12.11", o ESPÍRITO SANTO distribui os dons a cada cristão de modo único. Deduzimos que todos os cristãos receberam o ESPÍRITO SANTO e foram habilitados com um conjunto específico de dons espirituais para a edificação da Igreja.
   O número, o tipo e o potencial de desenvolvimento de cada dom recebido pelo ESPÍRITO SANTO são uma realidade especifica de cada crente a ponto de podermos afirmar que cada cristão possui um conjunto de dons que lhe é peculiar, de tal maneira que cada um de nós é único nesta combinação. 

   4 - AS VIRTUDES CRISTÃS E OS DONS ESPIRITUAIS

   A graça concedida pelo ESPÍRITO SANTO, ao dotar todos os cristãs com um conjunto específico de dons espirituais, serve como critério para auxiliar a apontar a área de atuação que cada crente deve ocupar.
   Cada crente se destacará em determinadas áreas, demonstrando capacidade maiores do que a de outros. Na prática isso é percebido por dois fatores. O PRIMEIRO É EXTERNO. Quando um cristão exerce um dos seus dons espirituais, ele se sobressai acima da média da Igreja naquilo que faz.
    O SEGUNDO FATOR TAMBÉM É IMPORTANTE, segundo a afirmação do apóstolo Paulo: "Porque DEUS é quem efetua em vós tanto o querer como o realizar, segundo a sua vontade. Filipenses 2.13". Ele nos alerta a levar em consideração nosso desejo, desempenho, satisfação e sensação de utilidade pessoal nas variadas atividades relacionadas aos dons. Tratas-se de aprovação interna daquilo que DEUS tem para cada um de nós.
   Contudo, é recomendado que se verifique a percepção da Igreja, pois ela representa a sensação do CORPO DE CRISTO e não de um membro apenas. Ela transmite o próprio pensamento de CRISTO quando interpreta corretamente um dom espiritual exercido por algum cristão.
   Agora, um alerta. Não podemos nos esquecer e nos esquivar das responsabilidade cotidianas da vida cristã alegando não ter os dons compatíveis para desenvolvê-las, visto que cada dom espiritual é equivalente a uma virtude cristã. A razão de os dons terem sido distribuídos é que aquele que os possuem haverão de desenvolver as atividades a eles relacionados de uma maneira diferenciada, com maior facilidade, competência, relevância e satisfação (TANTO POR PARTE DO EXECUTOR, QUANTO DO EDIFICADO).
   Entretanto, sobre todos nós repousam as responsabilidade comuns relacionadas aos dons, ainda que não consigamos desenvolvê-las com a mesma eficiência dos dons que são comuns. Nas listas de dons espirituais "Tendo, porém, diferentes dons, diferentes dons segundo a graça que nos foi dada: Se profecia, seja segundo a proporção da FÉ; se ministério, dedique-nos ao ministério, ou o que ensina esmere-se no fazê-lo; ou o que exorta faça-o com dedicação; o que contribui, com liberdade; o que preside, com diligência; quem exerce misericórdia, com alegria. Romanos 12.6-8".  - "Porque a um é dada, mediante o ESPÍRITO, a palavra da sabedoria; e a outro, segundo o mesmo ESPÍRITO, a palavra do conhecimento; a outro, no mesmo ESPÍRITO,  a FÉ; e a outro, no mesmo ESPÍRITO, dons de curar; a outro, operações de milagres; a outro, profecia; a outro discernimento de espíritos; a um, variedade de línguas; e a outro, capacidade para interpretá-las. Mas um só e o mesmo ESPÍRITO realiza todas estas cousas, distribuindo-as, como lhe apraz, a cada um, individualmente. 1 Coríntios 12.8-11". -  "A uns estabeleceu DEUS na Igreja, primeiramente, apóstolos; em segundo lugar, profetas; em terceiro lugar, mestre; depois operadores de milagres; depois, dons de curar, socorros, governos, variedades de línguas. 1 Coríntios 12.28". - "E ele mesmo concedeu uns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas e outros para pastores e mestres. Efésios 4.11". - "Se alguém fala, fale de acordo com os oráculos de DEUS; se alguém serve, faça-o na força que DEUS supre, para que, em todas as cousas, seja DEUS glorificado, por meio de JESUS CRISTO, a quem pertence a glória e o domínio pelos séculos dos séculos. Amém. 1 Pedro 4.11".  Encontramos a descrição principal deles, e cada um deles está relacionado a uma virtude cristã que não deve ser desconsiderada a pretexto de não se ter o dom compatível, pois como já vimos, o dom toma exercício da virtude equivalente algo diferencial, e não exclusivo na vida do cristão.
   Sendo assim, cada cristão deve ser capaz de servir, ajudar, exercer misericórdia e hospitalidade, assim como testemunhar sua , ensinar a PALAVRA DE DEUS e exortar, visto que são todas VIRTUDES CRISTÃS. Certamente, não faremos com a mesma competência aquilo em que não somos dotados, mas em certa medida, devemos estar preparados e prontos para exercer tais virtudes. DEUS nos recompensará segundo a nossa fidelidade. Ele exige o nosso empenho cristão em tudo o que estiver em nossas mãos para fazer "Portanto, meus amados irmãos, sede firmes, inabaláveis e sempre abundantes na obra do SENHOR, sabendo que, no SENHOR, o vosso trabalho não é vão. 1 Coríntios 15.58".

          CONCLUSÃO

   Todos os cristãos receberam um conjunto único de dons espirituais, quando foram regenerados pelo ESPÍRITO SANTO, que são capacitações espirituais para desempenharem certas atividades voltadas à edificação do CORPO DE CRISTO e não nas HABILIDADES NATURAIS. Se por um lado esses dons são capacidades concedidas diferentemente a cada cristão, de tal maneira que eles as desenvolveram de modo superior aos demais cristãos, por outro lado, cada dom espiritual é equivalente a uma virtude cristã e cada crente deve buscar desenvolver estas virtudes. Nosso desafio é conhecer os dons espirituais descritos na PALAVRA DE DEUS para identificá-los em nossa vida e na de nossos irmãos em CRISTO, para que todos nos desenvolvamos para a GLÓRIA DE DEUS. AMÉM.

          APLICAÇÃO

   Tente descobrir, ao longo dos estudos dessas lições, quais são os dons espirituais que lhe foram dados, procurando aprimorá-lo pelo devido entendimento e prática, assim como usar os talentos naturais que DEUS lhe deu para o louvor da glória dele. Busque manter sua vida cheia de piedades, praticando as virtudes associadas, independente de estarem relacionadas aos seus dons particulares. Faça anotações sobre os dons e a relação que você tem com eles. Isso o ajudará a identificar os seus. 

   
   DIÁCONO: LUIZ MARIANO SIQUEIRA
  REVISTA NOSSA FÉ
 SALGUEIRO-PERNAMBUCO 15/01/2017



 
                                       

sábado, 10 de setembro de 2016

TITO E O DISCIPULADO

JESUS CRISTO.

                TITO E O DISCIPULADO

   "Paulo, servo de DEUS e apóstolo de JESUS CRISTO, para promover a FÉ que é dos eleitos de DEUS e o pleno conhecimento da verdade segundo a piedade, na esperança da vida eterna que o DEUS que não pode mentir prometeu antes dos tempos eternos e, em tempos devidos, manifestou a sua palavra mediante a pregação que me foi confiada por mandato de DEUS, nosso Salvador, a Tito, verdadeiro filho, segundo a FÉ comum, graça e paz, da parte de DEUS PAI e de CRISTO JESUS, nosso Salvador. Tito 1.1-4".

          INTRODUÇÃO

   JESUS escolheu doze e estes alcançaram o mundo. Esta é uma verdade surpreendente. O "FAZEI DISCÍPULOS" "Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do ESPÍRITO SANTO .Mateus 28.19" é uma ordem de JESUS que não deve ser esquecida pelo crente. Na carta de Paulo a Tito, podemos ouvir o eco desta ordem de JESUS na incumbência que Tito recebeu de "CONSTRUIR PRESBÍTEROS" em cada cidade. Vejamos, portanto, quem foi Tito e como ele cumpriu sua tarefa.

          1 - QUEM FOI TITO

   O Novo Testamento traz pouca informação a respeito dele, mas por meio dos escritos de Paulo, onde ele é mencionado 12 vezes, nós ficamos sabendo que Tito foi um dos maiores companheiros de ministério, pois ele o chama de filho na FÉ "Ora, a perseverança deve ter ação completa, para que sejais perfeitos e íntegros, em nada deficientes. Tiago 1.4"; irmão na FÉ "Não tive, contudo, tranquilidade no meu espírito, porque não encontrei o meu irmão Tito; por isso, despedindo-me deles, parti para macedônia. 2 Coríntios 2.13"; e de companheiro e cooperador "Quanto a Tito, é meu companheiro e cooperador convosco; quanto a nossos irmãos, são mensageiros das Igrejas e glória de CRISTO. 2 Coríntios 8.23". Ele era tão útil e confiável que o apóstolo o deixou na ilha de Creta para completar a obra naquele lugar e depois escreveu uma carta com as devidas instruções para a estruturação das Igrejas e suas lideranças. 
   Obviamente, Paulo tinha em elevada estima, pois sua presença já lhe havia trazido muita alegria e conforto "Não tive, contudo, tranquilidade no meu espírito, porque não encontrei o meu irmão Tito; por isso, despedindo-me deles, parti para macedônia. 2 Coríntios 2.13"; "Porém DEUS, que conforta os abatidos, nos consolou com a chegada de TITO. 2 Coríntios 7.6". Este jovem também fora útil ao apóstolo em Corinto, onde ele o deixou para ajudar os cristãos da cidade "Foi por isso que nos sentimos confortados. E, acima desta nossa consolação, muito mais nos alegramos pelo contentamento de Tito, cujo espírito foi recreado por todos vós. Porque, se nalguma coisa me gloriei de vós para com ele, não fiquei envergonhado; pelo contrário, como, em tudo, vos falamos com verdade, também a nossa exaltação na presença de Tito se verificou ser verdadeira. 2 Coríntios 7.13-14; ; "O que nos levou a recomendar a Tito que, como começou, assim também complete esta graça entre vós 2 Coríntios 8.6" ; "Mas graças a DEUS, que pôs no coração de Tito a mesma solicitude por amor de vós; porque atendeu ao nosso apelo e, mostrando-se mais cuidadoso, partiu voluntariamente para vós outros. E, com ele, enviamos o irmão cujo louvor no Evangelho está espalhado por todas as Igrejas. E não só isto, mas foi também eleito pelas Igrejas para ser nosso companheiro no desempenho desta graça ministrada por nós, para a glória do próprio SENHOR e para mostrar a nossa boa vontade; evitando, assim, que alguém nos acuse em face desta generosa dádiva administrada por nós; pois o que nos preocupa é procedermos honestamente, não só perante o SENHOR, como também diante dos homens. Com eles, enviamos nosso irmão cujo zelo, em muitas ocasiões e de muitos modos, temos experimentado; agora, porém, se mostra ainda mais zeloso pela muita confiança em vós. Quanto a Tito, é meu companheiro e cooperador convosco; quanto a nossos irmãos, são mensageiros das Igrejas e glória de CRISTO. 2 Coríntios 8.16,23". De fato, o apóstolo considerava Tito um grande mensageiro de DEUS, um servo chamado para edificar a Igreja. Mais tarde, também serviu na província de Dalmácia "Porque Demas, tendo amado o presente século, me abandonou e se foi para Tessalônica; Crescente foi para a Galácia, Tito, para a Dalmácia 2 Timóteo 4.10".
   Tito também é conhecido por ter acompanhado Paulo e Barnabé na reunião em Jerusalém "Catorze anos depois, subi outra vez a Jerusalém com Barnabé, levando também a Tito. Subi em obediência a uma revelação; e lhes expus o evangelho que prego entre os gentios, mas em particular aos que pareciam de maior influência, para, de algum modo, não correr ou ter corrido em vão. Contudo, nem mesmo Tito, que estava comigo, sendo grego, foi constrangido a circuncidar-se. Gálatas 2.1-3" (Ver Atos 15) onde foi discutido o papel dos gentios na Igreja. Ele era descendente de gregos; mesmo assim, não foi forçado a circuncidar-se pelos líderes da Igreja, tornando-se uma prova viva de que a salvação não é "POR OBRAS DE JUSTIÇA PRATICADAS POR NÓS, MAS SEGUNDO SUA MISERICÓRDIA... MEDIANTE O LAVAR REGENERADOR E RENOVADOR DO ESPÍRITO SANTO Tito 3.5". Assim, ele foi um dos gentios que se tornaram cristãos sem passar pelos rituais do Antigo Testamento, sendo uma ilustração do livre acesso dos gentios ao Evangelho. Não era preciso tornar-se judeu para ser considerado cristão.
   Tito tinha qualidade de um servo exemplar. Ele possuía um longo histórico de serviços prestados. Era fiel. Era digno de confiança, sendo um competente mestre. Podia receber responsabilidades e realizá-las adequadamente. Era suficientemente organizado para liderar outros e estabelecer novos grupos de líderes, por isso foi uma das figuras fundamentais da Igreja primitiva.
   Paulo escreveu a Tito para explicar-lhe o que ele queria que fosse realizado em Creta e dar-lhe alguma orientação e encorajamento a este respeito. Era preciso ensinar a sã doutrina com toda autoridade e tornar-se um modelo de caráter, pois o apóstolo queria que essas qualidades fossem ensinadas à comunidade de Creta.

          2 - AS QUALIFICAÇÕES DO DICIPULADOR

   Paulo escreveu a Tito da Macedônia "Quando te enviar Ártemas ou Tíquico, apressa-te a vir até Nicópolis ao meu encontro. Estou resolvido a passar o inverno ali. Tito 3.12". Ele e Tito tinham estado envolvidos em atividade missionária na ilha de Creta. Nesta carta, Paulo escreveu a Tito para encorajá-lo a completar o seu ministério na ilha, mas especialmente a organização das Igrejas "Por esta causa, te deixei em Creta, para que pusesses em ordem as coisas restantes, bem como, em cada cidade, constituístes presbíteros, conforme prescrevi: Alguém que seja irrepreensível, marido de uma só mulher, que tenha filhos crentes que não são acusados de dissolução, nem são insubordinados. Porque é indispensável que o bispo seja irrepreensível como despenseiro de DEUS, não arrogante, não irascível, não dado ao vinho, nem violento, nem cobiçoso de torpe ganância; antes, hospitaleiro, amigo do bem, sóbrio, justo, piedoso, que tenha domínio de si, apegado à palavra fiel, que é segundo a doutrina, de modo que tenha poder tanto para exortar pelo ensino como para convencer os que o contradizem. Tito 1.5-9", eliminando os falsos mestres "Porque existem muitos insubordinados, palradores frívolos e enganadores, especialmente os da circuncisão. É preciso fazê-lo calar, porque andam pervertendo casas inteiras, ensinando o que não devem, por torpe ganância. Foi mesmo, dentre eles, um seu profeta, que disse: Cretenses, sempre mentirosos, feras terríveis, ventres preguiçosos. Tal testemunho é exato. Portanto, repreende-os severamente, para que sejam sadios na FÉ e não se ocupem com fábulas judaicas, nem com mandamentos de homens desviados da verdade. Tito 1.10-14" ; "Evita discussões insensatas, genealogias, contendas e debates sobre a lei; porque não têm utilidade e são fúteis. Evita o homem faccioso, depois de admoestá-lo primeira e segunda vez, pois sabes que tal pessoa está pervertida, e vive pecando, e por si mesma está condenada. Tito 3.9-11", e dando instruções às Igrejas a respeito da conduta adequada (Ver Tito 2.1-3.8). Quando um substituto chegasse, Tito deveria encontrar Paulo em Nicópolis "Quando te enviar Ártemas ou Tíquico, apresse-te a vir até Nicópolis ao meu encontro. Estou resolvido a passar o inverno ali. Tito 3.12".
   fica bastante evidente a partir da leitura do primeiro capítulo que havia  oposição ao ministério de Tito. Alguns cretenses lhe estavam desafiando, afirmando que conheciam a DEUS e a sua vontade e, deste modo, não precisavam de Tito. Contudo, Paulo diz que sua alegação de conhecer a DEUS era negada por seus próprios anos; ele, então, incentiva Tito a repreendê-los severamente "E, em tempos devidos, manifestou a sua palavra mediante a pregação que me foi confiada por mandato de DEUS, nosso Salvador Tito 1.3" e a estabelecer, em cada cidade, lideres cristãos qualificados em lugar daqueles enganadores rebeldes que estavam se opondo a ele.
   Paulo, conhecendo a índole e a capacidade de ensino de seu companheiro Tito, o exorta a ensinar a PALAVRA de DEUS. Suas palavras iniciais no capítulo 2 são enfáticas: "TU PORÉM", significando que a linha a ser adotada por Tito deve ser oposta a daqueles falsos mestres, com suas "FÁBULAS" e mandamentos sectários. A convicção de Paulo era de que a base do bom comportamento da Igreja é a crença correta.
   Paulo sabe, entretanto, que a pregação por si mesma será pouca utilizada se Tito não mostrar em sua própria vida e obras um padrão de boa conduta "Torna-te, pessoalmente, padrão de boas obras. No ensino, mostra integridade, reverência, linguagem sadia e irrepreensível, para que o adversário seja envergonhado, não tendo indignidade nenhuma que dizer a nosso respeito. Tito 2.7-8". Paulo faz a mesma exortação que fez a Timóteo  "Ninguém despreze a tua mocidade pelo contrário, torna-te padrão dos fiéis, na palavra, no procedimento, no amor, na fé, na pureza. 1 Timóteo 4.12".
   As palavras finais do capítulo 2: "DIZE ESTAS COISAS" e as implicações seguintes mostram que Tito não deveria apenas apresentar a verdade, mas exortar veementemente as pessoas a aceitarem, e repreendê-las quando se opusessem ou não a levassem a sério. Ele pode agir com toda a autoridade, pois sua mensagem é a autêntica mensagem apostólica e sua comissão vem da parte de DEUS. Ninguém deve desprezá-lo. Neste caso, conforme Calvino observa com perspicácia, a observação visa mais as Igrejas cretenses do que o próprio Tito. Paulo deseja testificar sobre elas a autoridade do seu representante.
   Entre as muitas advertências de Paulo, está a necessidade de que Tito evitasse as discussões insensatas, pois são inúteis. Aqui há certa evidência de que algum judeu helenistas de Creta, que haviam "ACEITADO A CRISTO", promoviam contínuas conexões com o judaísmo, especialmente na rigorosa devoção as normas e regulamentos. Além da obrigação de se evitar as discussões inúteis, também devia evitar os facciosos que não quisessem ser corrigidos.

          3 - DISCIPULANDO OS CRENTES

   Ao descrever sua epístola a Tito, conforme observamos, Paulo também intencionava dirigir-se aos crentes. Em meio a uma Igreja onde pessoas estavam apresentando ensino diferente do Evangelho revelado a CRISTO, Paulo está dizendo que a mensagem de Tito era confiável e verdadeira, por ser a mesma dos apóstolos. Deste modo, quando ele chama a Tito de "VERDADEIRO FILHO, SEGUNDO A FÉ COMUM" sua intenção não é a de simplesmente elogiar seu companheiro, mas também endossar seu ministério como sendo uma legítima continuação da obra apostólica.
   Ao apresentar exortações a Tito e à Igreja de Creta, Paulo nos deixa um texto riquíssimo de detalhadas instruções dirigidas aos líderes "Por esta causa, te deixei em Creta, para que pusesses em ordem as coisas restantes, bem como, em cada cidade, constituístes presbíteros, conforme prescrevi: Alguém que seja irrepreensível, marido de uma só mulher, que tenha filhos crentes que não são acusados de dissolução, nem são insubordinados. Porque é indispensável que o bispo seja irrepreensível como despenseiro de DEUS, não arrogante, não irascível, não dado ao vinho, nem violento, nem cobiçoso de torpe ganância; antes, hospitaleiro, amigo do bem, sóbrio, justo, piedoso, que tenha domínio de si, apegado à palavra fiel, que é segundo a doutrina, de modo que tenha poder tanto para exortar pelo ensino como para convencer os que o contradizem. Tito 1.5-9", aos anciãos "Quanto aos homens idosos, que sejam temperantes, respeitáveis, sensatos, sadios na fé, no amor e na constância. Tito 2.2", às mulheres mais idosas  "Quanto as mulheres idosas, semelhantemente, que sejam sérias em seu proceder, não caluniadores, não escravizadas a muito vinho; sejam mestras do bem. Tito 2.3", às jovens casadas "A fim de instruírem as jovens recém casadas a amarem ao marido e a seus filhos, e a serem sensatas, honestas, boas donas de casa, bondosas, sujeitas ao marido, para que a palavra de DEUS não seja difamada. Tito 2.4-5", aos jovens "Quanto aos moços, de igual modo, exorta-os para que, em todas as coisas, sejam criteriosos. Torna-te, pessoalmente, padrão de boas obras. No ensino, mostra integridade, reverência, linguagem sadia e irrepreensível, para que o adversário seja envergonhado, não tendo indignidade nenhum que dizer a nosso respeito. Tito 2.6-8" e aos escravos "Quanto aos servos, que sejam, em tudo, obedientes ao seu senhor, dando-lhe motivo de satisfação; não sejam respondões, não furtem; pelo contrário, deem prova de toda fidelidade, a fim de ornarem, em todas as cousas, a doutrina de DEUS, nosso Salvador. Tito 2.9-10".
   A Igreja de Creta parece estar numa condição bastante desorganizada. Logo, entre as várias coisas que precisam ser endireitadas, Paulo pede a Tito que constituísse presbíteros. Eles devem ser mestres da verdade e devem, de igual modo, refutar os que estão em erro "Apegado à palavra fiel, que é segundo a doutrina, de modo que tenha poder tanto para exortar pelo ensino como para convencer os que o contradizem.Tito 1.9". Primeiramente Paulo apresenta as questões domésticas que provem a índole e a capacidade de liderança espiritual do presbítero, seguidas por cinco vícios que devem ser evitados e seis virtudes a serem buscadas.
   Quanto aos homens idosos, Paulo exige que tenham domínio sobre seus próprios desejos e sejam sensatos. Possivelmente, dentre esses homens é que serão escolhidos os presbíteros. Assim, "O QUE CONVÉM A SÃ DOUTRINA" com relação aos ídolos é que sejam respeitáveis; acima de tudo eles devem ser exemplos das grandes virtudes cristãs:para com DEUS, AMOR para com todos e constância até o fim.
   O papel das mulheres idosas é resumido no adjetivo mestre do bem. Não se trata de exigir que elas deem instruções formal, mas, conselho e encorajamento que podem dar, particularmente pela palavra e pelo exemplo, às mulheres mais jovens.
   Às jovens casadas é exigido um alto padrão de conduta moral dentro do lar, que inclui a bondade, a honestidade, a virtuosidade, a submissão ao marido, com o objetivo de que a palavra de DEUS não seja difamada. O mundo será o primeiro a levantar a voz contra o Evangelho por qualquer conduta dos fiéis que seja estranha à sua pregação.
   Quando fala aos moços, Paulo se torna mais severo, empregando um imperativo: "EXORTA-OS", acentua uma vez mais a necessidade do viver cristão lúcido, sensato, em face de tanta falsidade.
   Quanto aos escravos, as exigências não são diferentes. Eles devem honrar a DEUS com suas vidas para que seu comportamento obediente torne a mensagem cristã atraente aos seus senhores.

          CONCLUSÃO

   Todas as exortações da carta a Tito, referentes a como deveriam ser os cretenses, nos mostram a importância do discipulado na vida da Igreja. Tito deveria trabalhar com aquelas vidas, ensinando a todas as faixas etárias da Igreja a seguirem o exemplo do Mestre JESUS CRISTO.
   No mundo "AUTOMÁTICO" em que vivemos, em que as pessoas querem resultados rápidos, o discipulado vai na contramão do gosto de muitos crentes. De fato, é trabalhoso conversar com pessoas, gastar tempo com elas e colher resultados a longo prazo, contudo, grande parte da superficialidade que temos vistos hoje no mundo evangélico se deve justamente à falta deste "GASTAR TEMPO" com aqueles que adentram nossas Igrejas e creem em CRISTO. Sigamos o exemplo de Tito.

          APLICAÇÃO

   Você tem cumprido a ordem de "FAZER DISCÍPULOS?" Que passos você vai dar agora para ser obediente quanto a esta ordem? 

DIÁCONO: LUIZ MARIANO SIQUEIRA
REVISTA NOSSA FÉ LIÇÃO Nº 13
NUVEM DE TESTEMUNHO
SALGUEIRO-PERNAMBUCO 10/09/2016

quarta-feira, 3 de agosto de 2016

UM HOMEM BOM, CHEIO DO ESPÍRITO SANTO E DE FÉ

JESUS CRISTO.


UM HOMEM BOM, CHEIO DO ESPÍRITO SANTO E DE FÉ

   "Então, os que foram dispersos por causa da tribulação que sobreveio a Estevão se espalharam até a Fenícia, Chipre e Antioquia, não anunciando a ninguém a palavra, senão somente aos judeus. Alguns deles, porém, que eram de Chipre e de Cirene e que foram até a Antioquia, falavam também aos gregos, anunciando-lhes o evangelho do SENHOR JESUS. A mão do SENHOR estava com eles, e muitos, crendo, se converteram ao SENHOR. A notícia a respeito deles chegou aos ouvidos da igreja que estava em Jerusalém; e enviaram Barnabé até Antioquia. Tendo ele chegado e, vendo a graça de DEUS, alegrou-se e exortava a todos a que, com firmeza de coração, permanecessem no SENHOR. Porque era homem bom, cheio do ESPÍRITO SANTO e de FÉ. E muita gente se uniu ao SENHOR. E partiu Barnabé para Tarso à procura de Saulo; tendo-o encontrado, levou-o para Antioquia. E, por todo um ano, se reuniram naquela igreja e ensinaram numerosa multidão. Em Antioquia, foram os discípulos, pela primeira vez, chamados cristãos. Atos 11.19-26".

          INTRODUÇÃO

   Barnabé foi companheiro de Paulo na sua 1º viagem missionária e fez, com João Marcos, uma outra viagem evangelística. Depois, sai de cena narrada por Lucas, cujo interesse se concentra especialmente no ministério de Paulo. Em Atos, Lucas se refere a Barnabé como um dos que venderam propriedades para entregar o valor aos apóstolos, visando a distribuição entre os crentes pobres "José, a quem os apóstolos deram o sobrenome de Barnabé, que quer dizer filho da exortação, levita, natural de Chipre, como tivesse um campo, vendendo-o, trouxe o preço e o depositou aos pés dos apóstolos. Atos 4.36-37". Menciona também que era judeu, natural de Chipre, que seu nome original era José, mas foi chamado pelos apóstolos de Barnabé ("filho de consolação"). Barnabé deixou-nos o exemplo de que é ser um homem bom, cheio do ESPÍRITO SANTO e de FÉ. Seu comportamento, nas referências que lhe são feitas no livro de Atos, justifica totalmente essa qualificação.

          1 - ERA DESPRENDIDO E CARIDOSO
                              (ATOS 4.36-37)

   Barnabé vendeu um campo que possuía e "trouxe o preço e o depositou aos pés dos apóstolos". Isto foi feito para que o valor fosse distribuídos aos que tinham necessidade, visto que "ninguém considerava exclusivamente sua nem uma das coisas que possuía" e "tudo lhes era comum. Atos 4.32". Deste modo, "nenhum necessitado havia entre eles. Atos 4.34".
   Essa é a primeira referência bíblica a Barnabé. Ele estava perfeitamente sintonizado com o Espírito de comunhão que havia entre os crentes nos primeiros dias da Igreja. Embora a prática seja atribuída a todos, Barnabé e o casal Ananias e Safira são os únicos cujos os nomes são mencionados neste contexto de venda e doação de bens. O de Barnabé, para apresentar a figura de um homem que o autor mais a frente o chamaria de bom, cheio do ESPÍRITO SANTO e de FÉ. Os de Ananias e Safira, para ensinar que não se engana a DEUS, que conhece os desígnios do nosso coração.
   Em nenhum lugar na Bíblia lemos que, para sermos bons, cheio do ESPÍRITO SANTO e de FÉ, temos de dar todos os nossos bens aos pobres. JESUS testou o jovem rico com esse mandamento, mas para provar que aquele jovem não amava a DEUS e o próximo como afirmava, e que, portanto, não cumpria os mandamentos, como supunha "Disse-lhe JESUS: Se queres ser perfeito, vai, vende os teus bens, dá aos pobres e terás um tesouro no céu, depois vem e segue-me. Mateus 19.21". A Bíblia manda amar o próximo, principalmente aos da FÉ "... enquanto tivermos oportunidade, façamos o bem a todos, mas principalmente aos da FÉ. Gálatas 6.10". É a prova da nossa bondade, de nosso enchimento do ESPÍRITO  e da FÉ. Não o amor de palavras apenas, mas o de ação, como o de Barnabé. É o que Tiago nos ensina "Se um irmão ou uma irmã estiverem carecidos de roupa e necessitados de alimento cotidiano, e qualquer dentre vós lhes disser: Ide em paz, aquecei-vos e fartai-vos, sem, contudo, lhes dar o necessário para o corpo, qual é o proveito disso? Assim, também a FÉ, se não tiver obras, por si só está morta. Tiago 2.15-17". E Paulo diz que "ainda que eu distribua todos os meus bens entre os pobres e ainda que entregue o meu próprio corpo para ser queimado, se não tiver amor, nada disso me aproveitará 1 Coríntios 13.3".
   Como você demonstra seu amor pelos irmãos? Você está disposto a abrir mão dos próprios recursos para ajudar necessitados? Barnabé fez isso. Não sabemos se era o seu único patrimônio. Poderia não ser, mas de qualquer modo estava no grupo dos que não consideravam exclusivamente sua nenhuma das coisas que possuíam. Porque era homem bom, cheio do ESPÍRITO SANTO e de FÉ. 

          2 - ESTAVA PRONTO A CONFIAR NAS PESSOAS E A DAR-LHES UMA SEGUNDA OPORTUNIDADE
                                 ( ATOS 9.26-27)

 A. DEU A PAULO UM VOTO DE CONFIANÇA. 
   Quando Paulo chegou em Jerusalém, depois da sua experiência no caminho de Damasco, procurou juntar-se com os discípulos; todos porém, o temiam, não acreditando que ele fosse discípulo. Mas Barnabé, tomando-o consigo, levou-o aos apóstolos "Tendo chegado a Jerusalém, procurou juntar-se com os discípulos; todos, porém, o temiam, não acreditando que ele fosse discípulo. Mas Barnabé, tomando-o consigo, levou-o aos apóstolos; e contou-lhes como ele vira o SENHOR no caminho, e que este lhe falara, e como em Damasco pregara ousadamente em nome de JESUS. Atos 9.26-27".
   Quando todos  desconfiavam de Paulo e da veracidade de sua transformação, foi Barnabé quem lhe deu um voto de confiança. Acreditou nele e na sua palavra e por ele intercedeu junto aos apóstolos. A persuasão do ESPÍRITO, do qual estava cheio, convenceu-o de que o testemunho de Paulo era digno de crédito. Sua bondade levou-o a aproximar-se de Paulo, quando todos o evitavam. Sua FÉ levou-o a agir, para que ele fosse aceito no círculo dos apóstolos, de forma que "estava com eles em Jerusalém, entrando e saindo, pregando ousadamente em nome do SENHOR. Atos 9.28".
   Qual é o Paulo, famoso ou desconhecido, a quem você recebeu na Igreja como um irmão num momento de desconfiança e incerteza, a quem você demonstrou compreensão e amor, em cuja palavra você acreditou? Paulo precisava de um homem bom, cheio do ESPÍRITO SANTO e de FÉ que acreditasse nele. E esse homem estava lá.
B. DEU A JOÃO MARCOS UM VOTO DE CONFIANÇA.
   Barnabé confiou em João Marcos quando Paulo não o queria mais como companhia por ele ter abandonado a 1º viagem missionária. Quando se preparavam para a 2º viagem, Barnabé quis levar João Marcos, que era seu sobrinho, novamente com eles. Mas Paulo se opôs à ideia, e o texto nos diz que "houve entre eles tal desavença, que vieram a separar-se. Então, Barnabé, levando consigo a Marcos, navegou para Chipre. Mas Paulo, tendo escolhido a Silas, partiu encomendado pelos irmãos à graça do SENHOR. Atos 15.36-41".
   É compreensível atitude de Paulo. É difícil confiar em quem já nos decepcionou uma vez. Mas lá estava em homem bom, cheio do ESPÍRITO SANTO e de FÉ, para dar a João Marcos uma segunda oportunidade. DEUS ainda poderia fazer uma grande obra nele e por ele. E a história provou que Barnabé estava certo. Cerca de onze anos mais tarde, ao escrever aos colossenses e Filemom "Saúda-vos Aristarco, prisioneiro comigo, e Marcos, primo de Barnabé (sobre quem recebestes instruções; se ele for ter convosco, acolhei-o. Colossenses 4.10". "Saúdam-te Eprafas, prisioneiro comigo, em CRISTO JESUS, Marcos, Aristarco, Demas e lucas, meus cooperadores. Filemom 23-24". Paulo se refere a João Marcos como um dos seus cooperadores na prisão, e na segunda carta a Timóteo, já no final da sua vida, ele dá este testemunho: "Somente Lucas está comigo. Toma contigo Marcos e traze-o, pois me é útil para o ministério". Era a prova de que Barnabé estava certo.
   Quem é o seu João Marcos? A quantos você já demostrou amor, compreensão e disposição para ajudar a recuperar-se? Um homem BOM, cheio do ESPÍRITO SANTO e de FÉ tem paciência para ajudar os mais fracos.

   3 - TINHA PRAZER NA OBRA E VISÃO DA SUA NECESSIDADE
                               (Atos 11.19-26)

   Quando o evangelho chegou a Antioquia e muitos se converteram. Barnabé foi o homem escolhido pela Igreja de Jerusalém para ir cuidar daquele rebanho "Então, os que foram dispersos por causa da tribulação que sobreveio a Estêvão se espalharam até Fenícia, Chipre e Antioquia, não anunciando a ninguém a palavra, senão somente aos judeus. Alguns deles, porém, que eram de Chipre e de Cirene e que foram até Antioquia, falavam também aos gregos, anunciando-lhes o evangelho do SENHOR JESUS. A mão do SENHOR  estava sobre eles, e muitos, crendo, se converteram ao SENHOR. A notícia a respeito deles chegou aos ouvidos da Igreja que estava em Jerusalém; e enviaram Barnabé até Antioquia. Atos 11.19-22". Lá chegando, alegrou-se com a graça de DEUS e com o progresso do evangelho. Só um homem bom, cheio do ESPÍRITO SANTO e de FÉ poderia alegrar-se com a conversão dos gentios, naquele contexto do judaísmo, em que ele poderia se valer de seus supostos privilégios judaicos. Trabalhar na primeira Igreja do mundo gentílico, naquele difícil momento da convivência entre judeus e gentios numa mesma comunidade, não era tarefa fácil. Nos planos de DEUS, porém, essa era a Igreja que logo se transformaria na base de expansão do Cristianismo no mundo da época. Um judeu que se alegrasse com a conversão dos gentios, sem dúvida, a pessoa certa para aquela Igreja.
   Mas Barnabé era também um homem de visão. Percebeu que o trabalho não era para um homem só. Sabia que Paulo reunia as condições ideais para esse tipo de trabalho, pois era judeu, mas podia igualar-se aos gregos em conhecimentos, ao mesmo tempo que se excedia em zelo e amor pelos seus compatriotas. Barnabé não parou para pensar que poderia ser sobrepujado e ofuscado pela mente arguta e bem treinada do vigoroso Saulo de Tarso. O interesse em jogo não era o seu, mas o de CRISTO. Foi buscar a Paulo para que o ajudasse, aquele que logo passaria para alinha de frente, deixando-o em segundo plano "E partiu Barnabé para Tarso à procura de Saulo; tendo-o encontrado, levou-o para Antioquia. E, por todo ano, se reuniram naquela Igreja e ensinaram numerosa multidão. Em Antioquia, foram os discípulos, pela primeira vez, chamando cristãos. Atos 11.25-26". Barnabé estava interessado na realização da obra, não na promoção do seu nome. Estaria contente à sombra de Paulo, desde que a obra fosse bem feita.
   Só um homem bom cheio do ESPÍRITO SANTO e de FÉ tem a humildade para reconhecer que precisa de ajuda e, se for necessário, colocar-se em segundo plano. Mas na providência sábia e soberana de DEUS não haveria um Paulo se não houvesse um Barnabé.
   Qual é a sua visão da obra de DEUS? Para qual lugar nessa obra ele tem chamado? Qual é a sua aspiração? Numa orquestra, todos os instrumentos são necessários e importantes. Há os que se destacam mais e são mais vistos ou ouvidos. Há os que parecem até desnecessário, mas, certamente são uteis. Onde o SENHOR o colocou?

          CONCLUSÃO

   A Igreja tem sofrido muitas vezes por falta de desprendimento, de amor aos irmãos, de companheirismo, de paciência para com os mais fracos, de espírito de perdão, de humildade, de reconhecimento dos dons dos outros, e de visão da necessidade e das possibilidades da obra de DEUS. Nela não há lugar para personalismos. Interesses particulares não podem ser colocados acima do interesse da obra. A ambição de fama e de projeção, infelizmente, tem levado muitos a não reconhecer as suas próprias limitações e a não buscar a ajuda que seria indispensável. Não é o que aprendemos com Barnabé, um pecador que JESUS transformou em alguém bom, cheio do ESPÍRITO SANTO e de FÉ. Busquemos no poder do ESPÍRITO a transformação de que precisamos para viver assim, segundo o exemplo de JESUS CRISTO.

          APLICAÇÃO

   Que necessidades há à sua volta que podem ser atendidas com a sua participação? Que pessoas há que precisam de sua compaixão? Como demonstrá-la?

DIÁCONO: LUIZ MARIANO SIQUEIRA
LIÇÃO Nº 12 DA REVISTA NOSSA FÉ
NUVEM DE TESTEMUNHO
SALGUEIRO-PERNAMBUCO 03/08/2016