JESUS CRISTO VOLTARÁ.

POR MAIS LONGA E ESCURA E TENEBROSA A NOITE, NÃO TE DESESPERE O SOL VOLTARÁ A BRILHAR. POR MAIS DIFÍCIL A BATALHA NÃO TE DESESPERE JESUS CRISTO QUER TE DAR A VITÓRIA, SE ATENTAMENTE OUVIRES A VOZ DO SENHOR TEU DEUS E OBEDECER, O SENHOR TEU DEUS TE EXALTARÁ SOBRE TODAS AS NAÇÕES, ESTÁ DIFÍCIL VENCER A BATALHA, NÃO TEMAS SEJA OBEDIENTE A DEUS E A VITÓRIA É SUA. MAIS, NÃO ESQUEÇA JESUS CRISTO ESTÁ VOLTANDO ESTÁ PRONTO PARA SUA VOLTA. OS SINAIS ESTÃO SE CUMPRINDO, NÃO SEJA PEGO NU, PORQUE NÃO SERÁS ARREBATADO. A QUEM ESTÁ SEGUINDO, O MUNDO OU A JESUS CRISTO.

sexta-feira, 19 de maio de 2017

DONS DE APOIO - PARTE 2

JESUS CRISTO.


     DONS DE APOIO - PARTE 2


   "Ou o que exorta faça-o com dedicação; o que contribui com liberalidade; o que preside, com diligência; quem exerce misericórdia, com alegria. Romanos 12.8"
   "Todo homem seja sujeito às autoridades; porque não há autoridade que não proceda de DEUS; e as autoridades que existem foram por ele instruídas. Romanos 13.1"
   "A uns estabeleceu DEUS na igreja, primeiramente, apóstolos; em segundo lugar, profetas; em terceiro lugar, mestres; depois, operadores de milagres, depois dons de curar, socorros, governos, variedade de línguas. 1 Coríntios 12.28" 

          INTRODUÇÃO

   Será que a demonstração de misericórdia ou a atenção cuidadosa com os visitantes na igreja tem a ver com o exercício dos dons espirituais? Se liderança é um dom, por que há tantos líderes natos que não são cristãos? O que qualifica e descreve a liderança como um dom espiritual? procuraremos responder perguntas como estas nessa lição, ao estudarmos sobre os dons de MISERICÓRDIA, HOSPITALIDADE e LIDERANÇA. Como entender a operação desses dons, sabendo que os mesmos também indicam virtudes esperadas na vida dos cristãos? Qual a diferença entre a prática das virtudes equivalentes e o desenvolvimento de tais dons? estas são outras questões levantadas, para as quais daremos as respostas baseadas na Bíblia Sagrada.

   1 - DOM DE MISERICÓRDIA

   O primeiro dom que vamos estudar nessa lição é o DOM DE MISERICÓRDIA. Ele é o último dom citado por Paulo em sua lista aos romanos (Romanos 12.8), e vem acompanhado de uma exortação, que ele faz aos coríntios, de que a misericórdia deve ser exercida com alegria. Ora, esta exortação é dirigida aos cristãos de Roma porque o exercício da misericórdia corresponde à dor e ao sofrimento do próximo, que abatido pelas circunstâncias difíceis, precisa de encorajamento. Por isso, DEUS dotou algumas pessoas de maior sensibilidade e sabedoria para agir nesses momentos.

   A - USO BÍBLICO DA PALAVRA MISERICÓRDIA
   A palavra original para a nossa tradução de misericórdia, em Romanos 12.8, aparece 78 vezes no Novo Testamento, sendo escritas nas cartas de Paulo 26. Primeiramente. a Igreja foi alvo da eterna misericórdia de DEUS, motivo pelo que ela teve seus pecados perdoados e veio a se tornar seu povo peculiar (Ver Romanos 9.23: 15.9; Tito 3.5, etc.). Essa mesma Igreja, segundo a misericórdia que recebeu, deve exercê-la alegremente para consolar e aliviar o sofrimento dos irmãos em seus dias difíceis, e também os incrédulos que não conhecem o AMOR divino. Portanto, Paulo exorta a Igreja a transmitir a mesma misericórdia recebida. Paulo e os demais autores das cartas usam a palavra misericórdia como uma expressão terapêutica de DEUS na Igreja, uma expressão ratificadora do verdadeiro discipulado. (Veja 2 Timóteo 1.16; Tiago 2.13; Jd 2).

   B - A MISERICÓRDIA COMO UM DOM ESPIRITUAL
   O cristão que possui o dom espiritual de misericórdia é capacitado por DEUS para suprir as necessidades do próximo em seus sofrimentos. Esse dom é de operação "VIP", porque vincula o MISERICORDIOSO, diretamente, à realidade particular daquele que sofre. O crente dotado de AMOR participa e sofre juntamente com o irmão.

   C - RECONHECENDO O DOM DE MISERICÓRDIA
   Os cristãos que possuem o dom de misericórdia se identificam naturalmente com as pessoas que estão aflitas, sofrendo com os seus problemas. Motivados por este quadro tendem a demostrar compaixão por meio de atitudes concretas de AMOR, mas do que o normal. O seu desejo é o de que as mágoas das pessoas sejam curadas ao seu pleno bem-estar.
   todos são chamados a exercer misericórdia (Romanos 12.15; Hebreus 13.1-3), contudo aqueles irmãos que possuem tal dom se destacam na sua sensibilidade e habilidade, acima do comum, de consolar os abatidos, o que não eliminar a responsabilidade geral desta prática: "Bem-aventurados {são} os misericordiosos, porque alcançaram misericórdia. Mateus 5.7".

 
 2 - DOM DE HOSPITALIDADE 

  O segundo dom espiritual de apoio que vamos estudar é O DOM DE HOSPITALIDADE, um dos poucos que não aparecem nas listas básicas de dons espirituais, mas se encontra descrito nas páginas da Bíblia. A naturalidade que alguns irmãos beneficiam outros pela prática da hospitalidade confirma-o como sendo um dom. Ele também está essencial e profundamente  relacionado às realidades individuais e não tanto às coletivas, à semelhança do dom de misericórdia. O exercício pleno desse dom, como se pode perceber, depende muito da cooperação e da boas vontade dos demais membros do lar.
   numa família, um visitante não pode ser bem recebido a não ser que haja o consentimento pleno de todos os membros da casa. Há que se estudar muito bem cada caso. Pessoas que necessitam de hospedagem, por outro lado, não expirarão confiança por causa de alguma atitude incoerente ou por causa de um histórico de vida duvidoso. isso não deixará um pai de família tranquilo para receber o estranho em sua casa. A piedade deve vir de prudência. A Bíblia nos orienta e nos afastarmos de algumas pessoas (Leia Salmo 1.1; Provérbios 1.10-19; 13.20).
   Mas, havendo plena segurança, não podemos deixar passar oportunidade de fazer o bem ao próximo. A alma generosa será recompensada por DEUS (Leia Provérbios 11.24-25). O escritor de Hebreus declara: "Não negligencieis a hospitalidade, pois alguns, praticando-a, sem o saber acolheram anjos. Hb 13.2".
  
   A - USO BÍBLICO DA PALAVRA HOSPITALIDADE
   A ideia bíblica que está por trás da prática da hospitalidade é de uma calorosa e amorosa acolhida. DEUS mesmo fez isso conosco, recebendo rebeldes como nós como seus filhos (Romanos 5.8), conforme a parábola da grande ceia (Lucas 14.15-24). O SENHOR JESUS lamenta profundamente ao ser rejeitado pelos habitantes de Jerusalém (Lucas 13.34), ou mesmo quando ele acolhia pecadores marginalizados, transformando ambientes repletos de publicanos em lugar de Salvação e demonstração da misericórdia divina (Ver Mateus 9.10-13: Lucas 19.1-10).
   Biblicamente, a hospitalidade expressa o aconchego fraternal, a atenção, o carinho e a sensação de "LAR, DOCE LAR" que os cristão encontram no seio da igreja. O mesmo AMOR se estende aos perdidos quando chegam a uma igreja. Ali é o lugar onde eles devem experimentar a sensação mais surpreendente de hospitalidade como não encontrarão mais em lugar algum.
   Uma Igreja cristã saudável haverá de zelar não apenas pela sã doutrina, mas também pela legítima expressão de AMOR para com o próximo, que é a recepção afetuosa e sincera (Romanos 12.13; Hebreus 13.1-2). Acolher alguém não pode ser tido como um fardo, mas como um privilégio, uma oportunidade de cumprir a vontade de DEUS (1 Pedro 4.9).
   A prática hospitaleira é tão importante que é uma das características que se espera de um presbítero da igreja (1 Timóteo 3.2; Tito 1.8), visto que o mesmo exerce um papel de liderança paterna e pastoral à semelhança de CRISTO, conforme Paulo: "Portanto, acolhei-vos uns aos outros, como também CRISTO nos acolheu para a glória de DEUS. Romanos 15.7".

   B - A HOSPITALIDADE COMO UM DOM ESPIRITUAL
   Diferenciando-se da prática comum e mediana, o cristão que possui o dom espiritual da hospitalidade é motivada e capacitado por DEUS para suprir a necessidade que o outro tem de ser recebido. Não se trata tão-somente de hospedar pessoas em casa, mas, sobretudo, de proporcionar as pessoas o sentimento de ser amada, procurando, por todos os meios possíveis, que o hóspede sinta o carinho e o afeto típicos de um bom e santo relacionamento familiar cristão.

  C - RECONHECENDO O DOM DE HOSPITALIDADE
   Os cristãos que possuem o dom espiritual de hospitalidade tentem a abrir o seu lar de bom grado, sentindo-se privilegiados por acolher pessoas em sua casa e, caso não possam fazer isso, procuram meios para tal. A pessoa verdadeiramente acolhedora se preocupa mais com o bem-estar do seu hóspede do que com o seu próprio. 
   Todavia, essa acolhida há de ser natural, pois o desejo de recepcionar deve ser natural, pois o desejo de recepcionar deve ser mais forte do que o de impressionar, que leva a pessoa a não se preocupar tanto com luxos frívolos. O cristão HOSPEDEIRO se preocupa bastante com o visitante da igreja, apenas quer recebê-lo bem.
   Do mesmo modo ele se angustia procurando todos os meios para acolher aqueles irmãos distantes de sua família ou ainda com os que se sentem desamparados. O acolhedor oferece sua casa como um ponto de apoio. Por receber tão familiarmente outras pessoas, o crente pode ser acusado de desleixado, informal ou até mesmo "OFERECIDO", pois frequentemente, acaba se tornando o hospedeiro "OFICIAL" da igreja, acolhendo em sua casa, pregadores, missionários e obreiros em geral! No entanto, atitudes e julgamentos assim não podem ocorrer numa igreja que se preocupa com o bem-estar dos irmãos.

 
 3 - DOM DE LIDERANÇA

   O terceiro dom é o DOM DE LIDERANÇA. Este dom aparece descrito na lista de Romanos 12.8 e segue acompanhada da exortação daquele que preside (lidera), que deve presidir com dedicação, pois certamente se trata de uma prática que, embora necessária, não é fácil de desempenhar a quem executa não pode estar desatento.
    A ideia associada à palavra presidência ou liderança remete a quem se levanta sobre outras pessoas para orientá-las naquilo que não enxergam por si próprias. Trata-se de um guia, um líder que haverá de apontar o caminho por onde os seus liderados passarão. São pessoas que veem melhor que as demais, que desviam seus liderados dos "BURACOS" do caminho.
   Conquanto as figuras de chefes e autoridade estejam naturalmente associadas ao líder, esta liderança indicada e capacitada pelo dom espiritual esta relacionada não a uma imposição ou jugo, mas a um serviço, um auxilio que aponta o caminho a seguir e o lugar para onde ir. É uma função de servo na condução dos demais que, naturalmente, o reconhecerão como líder. Não se trata, portanto, de um cargo ou função eletiva ou espiritual, mas de uma disposição interna de serviço e de capacitação de  vislumbrar o que outros não conseguem.

   A - USO BÍBLICO DA PALAVRA LIDERANÇA
   A ideia bíblica de liderança começa com o próprio DEUS como líder maior do seu povo (Salmo 32.8) e o seu FILHO JESUS CRISTO como Pastor e Líder a quem suas ovelhas seguem ao reconhecerem a voz de comando (João 10.27). Também o ESPÍRITO SANTO é apresentado como quem guia a igreja em toda a verdade (João 16.13). Ora todas essas indicações do próprio DEUS, como Líder do seu povo, apenas reforçam a ideia de que o apóstolo Paulo trata sobre liderança no texto citado.
   Ele se refere àqueles a quem o governo da Igreja é confiado, apontando para os antigos anciões do Antigo Testamento que exerciam disciplina sobre o povo, endireitando-lhe o caminho ruma à vontade divina. São necessárias a prudência e a diligência nesse exercício, por que é a rota da caminhada da igreja que está em questão.
   Quando falta orientação e firme condução, a igreja fica a mercê dos perigos e tentações externos. Os líderes (PASTORES) são aqueles que: "Trabalham entre vós e os que vos presidem no SENHOR e vos admoestam. 1 tessalonicenses 5.12". A igreja deve tê-los em alta consideração: "Lembrai-vos dos vossos guias, os quais vos pregaram a palavra de DEUS; e considerando atentamente o fim de sua vida, imitai a FÉ que tiveram. Hebreus 13.7".
   A igreja sempre estará passiva aos desvios e apostasias (Veja 1 Timóteo 1.3-7; 2 Timóteo 2.16-19), mas sob uma liderança fiel ela fica segura (Veja 1 Timóteo 4.6,11,13; 6.17; 2 Timóteo 2.14; Tito 1.5; 2.1-10; 3.1, 9-11; 1 pedro 5.2-3). O líder cristão é o servo que leva a maior carga.

   B - A LIDERANÇA COMO UM DOM ESPIRITUAL
   O cristão que possui o dom espiritual de LIDERANÇA comumente tem muito claro em sua mente e coração a rota bíblica pela qual ele deve conduzir o grupo a alcançar a glória de DEUS. Ele tem a capacidade de comunicar seus propósitos às pessoas e conduzi-las segundo os princípios bíblicos, motivando e mobilizando os irmãos voluntária e harmoniosamente em prol do Reino de DEUS, dando o melhor de si.
   Em virtude dessa forte característica de liderança produzida pelo ESPÍRITO SANTO, o cristão é tentado a cooperar somente quando está liderando e, muitas vezes, nem chega a perceber a necessidade que tem de auxiliares práticos, pessoas a seu lado, para ajudá-lo. Assim como pode decepcionar quem lhe confia a tarefa de organização e administração, o que normalmente não sabe fazer bem.

   C - RECONHECENDO O DOM DE LIDERANÇA
   O cristão possuidor deste dom espiritual de apoio é fortemente motivado a assumir a liderança de um grupo carente de direção. Ele atua como um imã atraindo outros que, espontaneamente, o aceitam como um líder. Ele se responsabiliza por outras pessoas, preocupado em ajudá-las a descobrir seus dons, orientando-as em como elas podem ser úteis.
   O dom de liderança capacita o crente a perceber mais facilmente todos os aspectos de uma situação e a propor alvos para alcançar o objetivo final. Com ideais sólidos, não buscam a glória pessoal, mas contagia todos com a "CAUSA CELESTIAL". Almeja e busca harmonia do grupo e admite tranquilamente a impossibilidade de trabalhar sozinho, delegando tarefas, ele conduz a todos em suas devidas funções.
   O  líder é capacitado por DEUS para enxergar com maior clareza desafios, alvos e objetivos a serem seguidos pela igreja e é dotado para perceber como conduzi-la nessa caminhada dentro dos parâmetros bíblicos.

          CONCLUSÃO

   Todos estes dons, misericórdia, hospitalidade e liderança, se desenvolvem com fortes aspectos pessoais, ainda que esse último trabalhe primordialmente com a coletividade. Eles servem de apoio para a ministração da Palavra ao proporcionar às pessoas a compaixão e o afeto divinos através das pessoas que exercem tais dons. Servem de apoio à ministração da Palavra (OS PRIMEIROS) e, ao oferecer condições de coordenação geral do povo de DEUS, mobiliza-os harmoniosamente a perseguirem os alvos pré-estabelecidos. O líder não pode se esquecer que é conservo dos seus liderados e trabalha igualmente para catalizar e executar todas as virtudes dos demais irmãos.

          APLICAÇÃO

   Verifique se você tem as características descritas nos dons MISERICÓRDIA, HOSPITALIDADE OU LIDERANÇA. Teste a sua capacidade de desenvolver trabalhos nos quais as habilidades equivalentes sejam necessárias e analise o resultado da sua atuação. Pergunte às pessoas próximas a você que lhe responderão com honestidade se você tem o perfil desses dons. Contudo, independente de possuir tais dons ou não, procure ser sempre misericordioso atencioso e acolhedor com o próximo e, à medida da necessidade e das suas responsabilidades (PAIS, PROFESSOR, OFICIAL, ETC.), exerça a liderança serviçal no dia-a-dia.

DIÁCONO: LUIZ MARIANO SIQUEIRA
REVISTA NOSSA FÉ
AS CARTAS E OS DONS
LIÇÃO Nº 4 - DONS DE APOIO - 2
SALGUEIRO-PERNAMBUCO 19/05/2017

  

     

  

               

domingo, 23 de abril de 2017

DONS DE APOIO - PARTE 1

JESUS CRISTO.



             DONS DE APOIO - PARTE 1

   "Se ministério, dediquemo-nos ao ministério, ou o que ensina esmere-se na fazê-lo. Romanos 12.7"
   "A uns estabeleceu DEUS na Igreja, primeiramente, apóstolos; em em segundo lugar, profetas, em terceiro lugar, mestres; depois, operadores de milagres; depois dons de curar, socorros, governos, variedades de línguas. 1 Coríntios 12.28"

   INTRODUÇÃO

  Os dons espirituais distribuídos pelo ESPÍRITO SANTO à Igreja são muitos e variados, tanto no seu campo de atuação, quanto na sua forma e expressão. Alguns são claramente reconhecidos do que outros, mas todos são importantes.
   O primeiro grupo de dons que estudaremos é os que engloba os aqui chamados DONS DE APOIO. Veremos porque eles recebem esse nome e quais são. Como eu devo entender serviço e ajuda como dons espirituais se todos somos chamados para servir e auxiliar? É possível alguém possuir tanto o dom de serviço quanto o de ajuda? Como reconhecer e entender a diferença entre os dois? Procuraremos aqui responde questões como estas na primeira lição descritiva DONS ESPIRITUAIS NAS CARTAS DE PAULO. Estude o assunto procurando entender e identificar-se com aquilo que DEUS preparou para você.

   1 - CONHECENDO OS DONS DE APOIO

   Para facilitar o nosso estudo e entendimento sobre os dons, esta revista os separou em três grupos, devido a semelhança de cada grupo. Nessa lição, e nas seguintes, estudaremos os DONS DE APOIO.
   
   A - QUAIS OS DONS DE APOIO?
   Para efeitos de estudo, classificamos como dons de apoio os seguintes dons: SERVIÇO, AJUDA, MISERICÓRDIA, HOSPITALIDADE, ADMINISTRAÇÃO, LIDERANÇA, CONTRIBUIÇÃO E INTERCESSÃO. À medida do possível, também apresentaremos semelhanças e contrastes de dois ou mais dons, para facilitar o entendimento do pleno exercício de todos eles, para proporcionar o bom desenvolvimento da igreja.

   B - POR QUE CHAMÁ-LOS DE DONS DE APOIO?
   Das três grandes categoria de dons que apresentamos, a primeira delas foi chamado de APOIO porque servem de base para o desenvolvimento dos DONS DA PALAVRA. Foi o que aconteceu quando os prime Diros diáconos foram eleitos: "Então, os doze convocaram a comunidade dos discípulos e disseram: Não é razoável que nós abandonemos a palavra de DEUS para servir às mesas. Mas, irmãos, escolhei dentre vós sete homens de boa reputação, cheios do ESPÍRITO e sabedoria, aos quais encarregaremos deste serviço; e, quanto a nós, nos consagraremos à oração e ao ministério da palavra. Atos 6.2-4".
   Para que os discípulos desenvolvessem o ministério da palavra e da oração, outras pessoas se responsabilizariam pelos trabalhos sociais. Ambos os ministérios são de grande importância para a vida e boa ordem na Igreja, e exatamente por essa razão deve haver pessoas qualificadas a agir nos dois ministérios, no de APOIO e no da PALAVRA. Não há, portanto, diminuição de importância em nenhum deles. Sobre isso Howard Marshall comenta: "Paulo, entretanto, faz uso da analogia das partes do corpo para enfatizar que os dons podem ser variados e alguns mas úteis que outros. Mas isso não afeta a importância dos dons e de seus portadores, todos são igualmente partes do mesmo corpo, assim como todos são, de várias maneiras, dependentes uns dos outros".

   2 - DONS DE SERVIÇO

   O primeiro é o DON DE SERVIÇO. Ele se encontra descrito em Romanos 7 "Se ministério, dediquemo-nos ao ministério; ou o que ensina esmere-se no fazê-lo." MINISTÉRIO é uma tradução da palavras grega já conhecida: DIAKONIA. Essa é a palavra que nomeia o ofício do diácono. Não significa que todas as pessoas com esse dom serão eleitas para a diaconia, até mesmo porque não sendo um ofício, o dom de serviço é uma capacitação  que DEUS concede aos crentes sem distinção de sexo, maturidade, estado civil, etc. A palavra diácono qualifica o tipo de SERVIÇO que o crente realiza.
  
   A - O USO BÍBLICO DA PALAVRA "SERVIÇO"
   O substantivo traduzido por SERVIÇO "Se ministério, dediquemo-nos ao ministério; ou o que ensina esmere-se no fazê-lo Romanos 12.7" aparece no Novo Testamento 34 vezes, principalmente nos escritos de Paulo. Ele indica literalmente o "SERVIÇO À MESA", destaca-se por ser um serviço amoroso, uma expressão de cuidado com as pessoas por meio de ações concretas que assistam as necessidades do próximo dentro ou fora da Igreja, e é observado a necessidade de ações práticas no cotidiano que nós encontramos a operação desse DOM. O SENHOR JESUS CRISTO é o maior exemplo de serviço e exorta a todos  os seus discípulos a fazerem o mesmo "Então, JESUS, chamando-os, disse: Sabeis que os governadores do povo os dominam e que os maiores exercem autoridade sobre eles. Não é assim entre vós; pelo contrário, quem quiser tornar-se grande entre vós, será esse o que sirva; e quem quiser ser o primeiro entre vós será vosso servo; tal como o Filho do homem, que não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate de muitos Mateus 20.25-28.
   No texto de (Ver João 13.1-20), JESUS associa ao serviço o AMOR e a humildade. As características apresentadas por JESUS, ao lavar os pés dos discípulos independem de DOM. Todo crente deve manifestar AMOR e humildade no serviço do cristão. Isso não descaracteriza os dons  específicos de serviço, no entanto, amplia virtude que deve ser vista e testemunhada em todo filho de DEUS.
   O serviço é uma comprovação que, aliada à pregação, demostra a mudança de uma vida egoísta para uma vida dedicada ao próximo. Embora cada cristão seja chamado para servir, aqueles que possuem o DOM de serviço se destacarão nas tarefas que requerem atitudes concretas; situações que reclamem a necessidade da mobilização. Biblicamente, esta palavra é muito abrangente, mas vejamos como tratá-la especificamente, visto que há outros dons, também "CONCRETOS", baseados com AÇÕES GERAIS DE APOIO A PALAVRA.
   
   B - O SERVIÇO COMO UM DOM ESPIRITUAL
   Quando estudamos o serviço como um DOM espiritual ele se diferencia dos outros dons de apoio quanto ao seu foco e perfil, especialmente quando o DOM está em execução. O cristão que possui o DOM de serviço é capacitado por DEUS para suprir necessidade, quando uma pessoa ou um grupo de pessoas tem dificuldade para realizar certas tarefas, as quais eles não teriam condições de fazê-las sozinhos. Este irmão, então, tem uma sensibilidade maior para perceber o problema e toma a iniciativa para resolvê-lo.

   C - RECONHECENDO O DOM DE SERVIÇO
   Um exemplo bíblico ilustrativo de alguém cujo o perfil e atuação correspondem ao DOM de serviço É O BOM SAMARITANO (Ver Lucas 10.30-35). Observe a percepção que ele teve ao ver o homem maltratado e, a seguir, as suas ações concretas para socorrê-lo. Pois bem,  o cristão que possui este DOM, voluntariamente, toma a iniciativa para supri as necessidades práticas dos que estão carentes de socorro.
   Via de regras, ele não gosta muito de ser o auxiliar em um projeto, costuma ser o responsável por toda empreitada e, como está mais ligado as atividades, não se sente muito à vontade num cargo de liderança ou burocrático. Diante de uma necessidade prática, é aquela pessoa que resolve o problema sozinho. Ele assume a responsabilidade e se não puder executar a tarefa providencia alguém para substituir, visando sua conclusão.
   Em geral, não se preocupa muito com o cansaço, chegando a sobrecarregar-se, pois tem dificuldade de dizer "NÃO" e, como tem a visão voltada para a urgência, trabalha melhor com alvos e curto e médio prazo. O SERVO está pessoalmente convicto da importância de seu testemunho cristão mais pela vida de dedicação do que pelo falar.

   3 - DOM DE AJUDA

   O segundo DOM que vamos estudar é o DOM DE AJUDA. Ele se encontra em 1 Coríntios 12.28: "A uns estabeleceu DEUS na Igreja, primeiramente apóstolos; em segundo lugar, profetas; em terceiro lugar, mestres, depois, operadores de milagres, depois, dons de curar, socorros, governos, variedades de línguas". A palavra que destacamos é SOCORROS. Este é um DOM que muito comumente opera associado ao anterior, pois como SERVIÇO a palavra indica, a sua atuação está direcionada para ajudar ou socorrer alguém. O DOM de ajuda, portanto, vem complementar a operação do serviço. Embora ambos os dons operem em situações que exigem mobilidade e ação, eles são exercidos diferentemente, produzindo um resultado final pleno e edificante na Igreja, fruto de uma parceria operacional.

   A - USO BÍBLICO DA PALAVRA AJUDA
   A palavra que lemos na Bíblia, na versão Revista e atualizada, Almeida, traduzida  por "SOCORROS", também aparece traduzida em outras versões como "AUXILIARES", "DOM DE AJUDAR", "DOM DE ASSISTÊNCIA", etc. A ideia que está associada na lista de dons espirituais de 1 Coríntios 12.28-31 "A uns estabeleceu DEUS na Igreja, primeiramente apóstolos; em segundo lugar, profetas; em terceiro lugar, mestres, depois, operadores de milagres, depois, dons de curar, socorros, governos, variedades de línguas. Porventura, são todos apóstolos? Ou, todos profetas? São todos mestres? Ou, operadores de milagres? Tem todos dons de curar? Falam todos em outras línguas? Interpretam-nas todos? Entretanto, procurai, com zelo, os melhores dons" é a de alguém que serve de apoio, que está sempre ao lado para ajudar; trata-se, portanto de um verdadeiro auxiliador.
   Em Hebreus 13.16 "Não negligencieis, igualmente, a prática do bem e a mútua cooperação; pois, com tais sacrifícios, DEUS se compraz" nós lemos que os cristão não deveriam negligenciar nem a prática do bem, nem a cooperação mútua (ajudar uns aos outros), pois DEUS tem prazer no auxilio recíproco na Igreja. O apóstolo Paulo exorta os cristãos de Roma que acolham a irmã Febe e a ajudem em tudo o que ela precisar. Está explícito, na Bíblia Sagrada, que o auxilio aos necessitados não é apenas um bom testemunho de AMOR cristão, mas um testemunho da própria atitude de DEUS para conosco, conforme o Salmo 54.4: "DEUS é o meu ajudador". Dessa maneira, espera-se que cada cristão esmere-se em ajudar ao seu próximo nas necessidades.
   Devemos nos lembrar de que o DOM espiritual de AJUDA potencializa e qualifica melhor tais atitudes naqueles que o possuem. Se é verdade que todo cristão é chamado para ser um auxiliar, também é verdade que aquele que possui tal DOM se destaca nesta área. De que maneira? Vejamos a seguir.

   B - A AJUDA COMO UM DOM ESPIRITUAL
   Quando estudamos a ajuda, como um DOM espiritual, percebemos que ela está no mesmo âmbito de atuação do DOM de serviço, mas que se diferencia deste, especialmente, quanto a postura diante da tarefa a ser desempenhada e a maneira pela qual o cristão o exerce e executa a tarefa. Aquele que possui o DOM espiritual de AJUDA é motivado por DEUS para auxiliar uma pessoa que precisa de apoio ou de companhia para trabalhar.
   Quem possui tal DOM aprecia muito auxiliar, de tal maneira que o trabalho da pessoa rende mais. Ele normalmente percebe a necessidade de ajuda, prefere ser orientado sobre o que e como deve fazer a atividade que, já está sendo desenvolvida por uma outra pessoa. É literalmente excelente auxiliar. Comumente, as pessoas nem reconhecem esse DOM, pois o seu caráter discreto, serviçal e por demais prático pode ofuscar o seu reconhecimento. Contudo, a maneira das pessoas que se viu em situações de sufoco e pôde contar com o auxilio de alguém prestativo, obediente e submisso, há de reconhecer o valor do exercício do DOM espiritual de AJUDA.

   C - RECONHECENDO O DOM DE AJUDA
   Os cristãos que possuem o DOM de AJUDA, espontaneamente, auxiliam aqueles que tomam a iniciativa para realizar alguma tarefa, preferem ser bem orientados e fazer as coisas do jeito que aquele a quem ele está ajudando quer; desejam auxiliar alguém na execução de uma tarefa em vez de ser responsável pela mesma; diante de uma necessidade prática, deixa a escolha do que deve ser feito e de como fazer para o outro, enfim, ele quer simplesmente ajudar, não comandar.
   Outra maneira de entender melhor o DOM DE AJUDA é comparando-o com o de serviço. O irmão que possui o DOM de AJUDA costuma tomar a iniciativa, o que possui o DOM DE SERVIÇO normalmente auxilia quem toma a iniciativa, o de SERVIÇO costuma fazer as coisas do "SEU JEITO". Quem tem o DOM de AJUDA prefere auxiliar, obedecer, ser comandado, liderado; já que possui o DOM DE SERVIÇO responsabiliza-se pela execução de algo ou de algum projeto, gosta de comandar, resolver, decidir, liderar. Enfim, o cristão que tem o DOM DE SERVIÇO QUER SERVIR E O CRISTÃO QUE TEM O DOM DE AJUDA QUER AJUDAR.
   Logo podemos concluir, embora todos sejamos chamados tanto para servir como para ajudar ao próximo, nenhum de nós tem recebido ambos os dons espirituais, pois os mesmos são distinta e, essencialmente, complementares no exercício e cooperação mútua entre os cristãos que o possuem.

          CONCLUSÃO

   Neste estudo nós vimos que os DONS DE APOIO assim chamado porque sua característica central está relacionada a tarefas concretas que ofereçam melhores condições para a operação essencial dos DONS DA PALAVRA apoiando o último de uma maneira importantíssima. A seguir, veremos como os dons de SERVIÇO E AJUDA atuam em parceria, complementando-se para a plena execução de uma ou mais tarefas no reino de DEUS.
   Embora semelhantes na área de atuação estes dons são absolutamente distintos na postura e execução, uma diferença que é complementar e não excludente. O possuidor do DOM de SERVIÇO vê a tarefa a ser feita, reconhece-a e se mobiliza para realizá-la da melhor maneira possível, já o crente com o DOM de AJUDA, se disponibiliza para auxiliar o primeiro no que ele precisar para que a tarefa seja cumprida de forma que aquele entende ser a melhor. SERVIÇO E AJUDA são igualmente necessários e complementares, e apoiam o ministério da PALAVRA na Igreja.

          APLICAÇÃO

   Verifique se você tem as características descritas nos dons de SERVIÇO E AJUDA. Teste a sua capacidade de desenvolver trabalhos onde as suas habilidades se façam necessárias, depois analise o resultado da sua atuação. Pergunte às pessoas próximas a você para que lhe respondam com honestidade se você tem o perfil de alguém com o DOM DE SERVIÇO, ou com o de AJUDA. Independentemente de possuir os dons de SERVIÇO OU AJUDA, lembre-se, de servir ao próximo em situações concretas, assim como procurar ajudar pessoas que estão sufocadas com muitas atividades, alivie a carga delas ajudando-as em suas necessidades. Lembre-se não existe O DOM DE SER SERVIDO.
   Tome cuidado para não julgar o irmão que possui o DOM de SERVIÇO de intrometido ou arrogante, pois a sua iniciativa para resolver os problemas faz parte das qualidades do seu DOM. Da mesma forma, não considere o irmão que possui o DOM de AJUDA alguém sem iniciativa ou orgulhoso, pois ele tem a tendência natural de esperar, ser chamado.  

DIÁCONO: LUIZ MARIANO SIQUEIRA
REVISTA NOSSA FÉ - LIÇÃO Nº 03
SALGUEIRO-PERNAMBUCO 23/04/2017