JESUS CRISTO VOLTARÁ.

POR MAIS LONGA E ESCURA E TENEBROSA A NOITE, NÃO TE DESESPERE O SOL VOLTARÁ A BRILHAR. POR MAIS DIFÍCIL A BATALHA NÃO TE DESESPERE JESUS CRISTO QUER TE DAR A VITÓRIA, SE ATENTAMENTE OUVIRES A VOZ DO SENHOR TEU DEUS E OBEDECER, O SENHOR TEU DEUS TE EXALTARÁ SOBRE TODAS AS NAÇÕES, ESTÁ DIFÍCIL VENCER A BATALHA, NÃO TEMAS SEJA OBEDIENTE A DEUS E A VITÓRIA É SUA. MAIS, NÃO ESQUEÇA JESUS CRISTO ESTÁ VOLTANDO ESTÁ PRONTO PARA SUA VOLTA. OS SINAIS ESTÃO SE CUMPRINDO, NÃO SEJA PEGO NU, PORQUE NÃO SERÁS ARREBATADO. A QUEM ESTÁ SEGUINDO, O MUNDO OU A JESUS CRISTO.

domingo, 30 de junho de 2013

JUDAS TRAIU A JESUS, E JESUS MORRENDO POR TODOS OS TRAIDORES.

JESUS CRISTO.


JUDAS TRAIU A JESUS, E JESUS MORRENDO POR TODOS OS TRAIDORES.

   "Ao romper o dia, todos os principais sacerdotes e os anciãos do povo entraram em conselho contra JESUS, para o matarem; e, amarrando-o, levaram-no e o entregaram ao governador Pilatos. Então, Judas, o que traiu, vendo que JESUS fora condenado, tocado de remorso, devolveu as trinta moedas de prata aos principais sacerdotes e aos anciãos, dizendo: Pequei, traindo sangue inocente. Eles, porém, responderam Que nos importa? Isso é contigo. Então, Judas, atirando para o santuário as moedas de prata, retirou-se e foi enforcar-se. E os principais sacerdotes, tomando as moedas, disseram: Não é lícito deitá-las no cofre das ofertas, porque é preço de sangue. E, tendo deliberado, compraram com elas o campo do oleiro, para cemitério de forasteiros. Por isso, aquele campo tem sido chamado até hoje, campo de sangue. Então, se cumpriu o que foi dito por intermédio do profeta Jeremias: Tomaram as trinta moedas de prata, preço em que foi estimado aquele a quem alguns dos filhos de Israel avaliaram; e as deram pelo campo de oleiro, assim como me ordenou o SENHOR. Mateus 27.1-10".

   Pouco antes de Judas traí-lo aconteceu um fato marcante. A notoriedade de JESUS estava incontrolável. Mas, em vez de fazer reuniões políticas ou erguer um grande palco para novos e vibrantes discursos, JESUS se encontrava na casa de um homem famoso por suas chagas: Simão, o leproso. Provavelmente, somente os cães entravam na casa e eram seus amigos. Simão estava radiante porque encontrara em JESUS um outro amigo. O homem mais famoso de Israel o privilegiava com sua amizade. 
   Judas já não tolerava mais a humildade de JESUS, mas entrou lá com os demais discípulos e outras pessoas. O ambiente não era recomendado para pessoas ambiciosas. Que ganho alguém teria por assentar-se á mesa com um homem socialmente rejeitado? Foi nessa casa que Judas manifestou, pela primeira vez, o seu coração.
   Havia uma mulher de nome Maria. Maria era irmã de Lázaro. Ela amava JESUS profundamente e percebeu mais do que os outros discípulos que ele estava vivendo seus últimos momentos. Era difícil acreditar que JESUS morreria. Seu coração estava partido. Então, ela pegou o que tinha de mais precioso, um vaso de alabastro contendo um perfume caríssimo, quebrou-o ungiu os pés de JESUS, enxugando-os com seus cabelos.
   Maria desejava que JESUS exalasse o perfume do seu amor. Judas observou a cena e condenou publicamente a sua atitude. Era muito dinheiro para ser desperdiçado. Mostrando ética e aparente espiritualidade, disse que o perfume deveria ter sido vendido e o dinheiro entregue aos pobres. Sua reação era um teatro. Ele já roubava dinheiro das ofertas destinadas ao sustento da pequena comitiva de JESUS.
   As mulheres são mais espontâneas, solícitas, gentis e dóceis que os homens. Elas se doam, se entregam, protegem e se preocupam mais com os outros do que os homens. Por isso, segundo as estatísticas da psiquiatria, elas se expõem mais e adoecem mais que eles. Maria amava intensamente JESUS. Não pensou em si, pensou na dor do Mestre, no seu sacrifício. Cometeu um ato ilógico, um ato que só o amor pode explicar.
   Ela recordou o que JESUS fizera por todos os abatidos. Viu mães  saindo do caos da tristeza para um oásis de alegria. presenciou paralíticos soltando como crianças, leprosos estourando a bolha da solidão. Testemunhou os aprisionados pelo medo voltarem novamente a sorrir. Então, comprou um perfume, resultado da economia de uma vida, e o derramou sobre os pés de JESUS. O perfume falaria mais do que as palavras.
   Ao condenar Maria, Judas pareceu estar preocupado com os pobres, mas pensava apenas somente em si mesmo. Seu discurso trai seu coração. Dias mais tarde entregou JESUS por 30 moedas de prata. O preço da traição foi cerca de duas a três vezes menor do que o perfume de Maria. O preço de um escravo."Então, um dos doze, chamado Judas Iscariotes, indo ter com os principais sacerdotes, propôs: Que me quereis dar, e eu vô-lo entregarei? E pagaram-lhe trinta moedas de prata. E, desse momento em diante, buscava ele uma boa ocasião para o entregar. Mateus 26.14-16".
   O homem que dividiu a história foi traído pelo preço de um escravo. Ele sempre foi um servo. Agora, na sua morte, assumiria o status que sempre quis: Um escravo da humanidade. Por que Judas o traiu na última hora? Porque não planejou sua traição. Ele o traiu na última hora, em meio a grande pertubação, embora há meses já estivesse em conflito.
   O clima em Jerusalém estava tenso. JESUS já não conseguia andar com liberdade sem ser assediado por grande multidões. O sinédrio judaico inquietava-se, e o governo preposto de Roma estava confuso. Judas não tinha tempo para pensar, talvez o traísse por qualquer preço. Por quê? Porque JESUS deixou de ser o homem dos seus sonhos. A sua frustração fechou as janelas da sua inteligência.
   João Batista aguardou por três décadas o homem dos seus sonhos. Mas bastaram pouco mais de três anos para Judas se decepcionar com ele. Judas queria um leão, mas JESUS era um cordeiro. Se você vivesse naquela época e fosse um seguidor de JESUS, estaria decepcionado com ele? Todos os discípulos, de certa forma, ficaram decepcionados. A cruz era inconcebível e incompreensível.
   Quantos não se decepcionam com JESUS CRISTO porque, após segui-lo, seus problemas externos aumentaram? Quantos se afastam de DEUS porque suas orações não são ouvidas no momento que querem e do jeito que desejam? 
   A análise das biografias de JESUS  evidencia que quem procura DEUS em busca de algo concreto pode se frustrar. Quem o procura pelo o que ele é, encontra a paz, pois consegue segurança em meio ao medo, força na fragilidade, conforto nas lágrimas, descanso nas perdas.
   JESUS teve a ousadia de confiar em Judas a bolsa das ofertas. Por quê? Ele desejava que Judas revisse a sua história enquanto cuidava finanças do grupo. O Mestre JESUS não pediu conta dos erros das pessoas. Nunca inquiriu as prostitutas sobre com quem e com quantos homens elas haviam dormidos. Jamais acusou Judas de ladrão.
   JESUS não tinha medo de perder o dinheiro roubado por Judas. Tinha medo de perder o próprio Judas. Sabia que quem é desonesto rouba a si mesmo. Rouba a própria tranquilidade, a serenidade, o amor pela vida. O coração de Judas estava doente, ele não amava JESUS e nem se amava. Os transtornos da personalidade de Judas, tipificados pelos espinhos, eram seu grande teste. 
   O homem mais doente não é o que tem a pior doença, mas o que não reconhece que está doente. O maior erro de Judas não foi a traição, mas sua incapacidade de reconhecer as próprias limitações, de aprender com o Mestre JESUS que os maiores problemas humanos estão na caixa de segredos da personalidade.
   A atitude de JESUS deixa intrigada a psiquiatria e a psicologia. Na última ceia, JESUS  anunciou a sua morte e disse, com o coração partido, que um dos discípulos o trairia. Todos queriam saber o nome do traidor. Mas JESUS deu um pedaço de pão ao seu traidor numa cena dissimulada. Ninguém percebeu o que se passava, apenas Judas. Ele o fitou e disse: "faze depressa o que estás fazendo. João 13.27".
   Ele poderia, como qualquer um, repreender, esbravejar, criticar agressivamente seu traidor, mas deu-lhe um pedaço de pão. Quem na história teve essa extraordinária atitude? Mesmo pessoas éticas expurgam os que se opõem a elas. Mas JESUS deu a outra face a Judas. Amou o seu inimigo.
   JESUS  tinha medo de perder Judas,, e não de ser traído por ele.
   Judas saiu de cena. Sua mente estava bloqueada. Sua emoção tensa e angustiada o impedia de pensar. Os computadores não tem o fantástico mundo da emoção e por isso são livres para abrir seus arquivos. Por ser incomparavelmente mais complexo, o ser humano não tem essa liberdade. A emoção determina o grau de abertura ou fechamento dos arquivos existenciais. A emoção nos liberta ou nos aprisiona. As pessoas mais lúcidas, incluindo intelectuais, reagem como crianças ao calor das tensões.
   Há meses a emoção de Judas obstruíra os principais arquivos de suas memória, comprometendo a construção de cadeia de pensamentos inteligentes. Judas já não era mais livre em sua mente. Os treinamentos de JESUS já não produziam o mesmo impacto. Ele interpretava gestos e palavras do Mestre JESUS com grandes distorções.
   O sinédrio tinha medo de prender JESUS publicamente. O risco de uma revolta popular era grande. Quando Judas apareceu, uma luz se acendeu. Poderiam prendê-lo á surdina, num local isolado. Uma vez preso, seria possível fazer um julgamento precipitado, rápido, sem que as multidões tivessem consciência do que estava acorrendo. Era uma oportunidade única.
   No momento da traição, JESUS provou mais uma vez que estava procurando reconquistar Judas, dando-lhe outra oportunidade de repensar sua atitude. Judas veio na frente da escolta e o beijou. JESUS se deixou beijar. Embora confuso, Judas conhecia a JESUS. bastava um beijo para identificá-lo. Sabia que não seria repreendido. Como comentei em outros textos desta coleção, JESUS teve uma atitude ímpar. Fitou o traidor e o chamou de amigo. "JESUS, porém, lhe disse: Amigo, para que vieste? Nisto, aproximando-se eles, deitaram as mãos em JESUS e o prenderam. Mateus 26.50".
   O Mestre dos Mestres JESUS golpeou o coração de Judas com seu amor. Jamais alguém amou tanto, incluiu tanto, apostou tanto, deu tantas chances as pessoas que mereciam apenas o desprezo. Judas não esperava esse golpe. Saiu de cena perplexo.
   As pessoas que fizeram guerras defendendo o cristianismo, como nas cruzadas, as fizeram em nome de um CRISTO imaginário, irreal. O CRISTO real foi o que amou seu traidor. O CRISTO real foi o que cometeu loucuras de amor por cada ser humano. Foi o que teve coragem de esquecer a sua dor para pensar na dor do outro, mesmo que o outro fosse seu carrasco.
   Se JESUS chamou seu traidor de amigo, quem pode decepcioná-lo? Ninguém! Que erro uma pessoa precisa cometer contra ele para fazê-lo desistir dela? Nenhum. A personalidade do Mestre JESUS vai de tal maneira contra  a nossa lógica que jamais poderia ser uma obra de ficção. JESUS não cabe no imaginário humano.
   Na infância vi pessoas fazendo bonecos de Judas e espancando-os. Aos olhos dessas pessoas, que se diziam cristãs, Judas deveria ser espancado e ferido. Mas, aos olhos de JESUS, Judas deveria ser acolhido e amparado.
     O significado da morte de JESUS é envolto num manto de mistérios e perturba a ciência. Segundo o próprio JESUS, ele estava cumprindo  diante de DEUS todos os códigos jurídicos e éticos em favor de todos os seres humanos. As dívidas com DEUS seriam eliminadas com seu sacrifício  Ele morrer por todos os que falham, erram, negam, traem.
   Todos nós temos um pouco de Judas em nosso currículo. Quem não é traidor? você pode não ter traído alguém, mas dificilmente não traiu a si mesmo. quantas vezes você disse que seria uma pessoa paciente, mas uma pequena ofensa ou contrariedade bloqueou sua inteligência e o levou á ira? Você traiu a sua intenção. quantas vezes, depois de um ato de infidelidade, você prometeu que isso não se repetiria, mas acabou ferindo novamente as pessoas que mais amava? Você traiu sua promessa.
   Quanta vezes você disse que não levaria seus problemas para a cama, mas deixou que ela se tornasse uma praça de guerra? Você traiu seu sono. Quantas vezes você prometeu que sorriria mais, seria mais bem-humorado, leve e livre, mas suas promessas não resistiram ao calor dos problemas? Você traiu sua qualidade de vida. Eu já me trai muitas vezes. É fácil sermos carrascos de nós mesmos.
   Quantas vezes traímos DEUS? Não o vemos, não o tocamos fisicamente e, por isso, é muito fácil traí-lo. Uns trocam DEUS por uma grande soma de dinheiro, outros, por uma quantia menor que a de Judas. Uns viram as costas para Ele quando atingem o sucesso, outros o negam quando fracassam, culpando-o pelo que Ele nunca fez.
   Quantas vezes vendemos as sementes de JESUS, suas caríssimas palavras, por um preço menor do que uma mercadoria da feira? O amor, a tolerância, o perdão, o acolhimento, o afeto, a compreensão, a capacidade de se doar sem esperar retorno, a capacidade de pensar antes de reagir são sementes universais, representamo ápice das espirações humanas. Eles estão no topo das aspirações dos pajés das tribos indígenas  dos líderes das tribos africanas, dos ensinamentos de confucio, dos pensamentos de Buda e das melhores ideias dos filósofos.
   Apesar de JESUS ter sintetizado os desejo fundamentais de todos os povos , de todas as eras, muitas as vezes desprezamos sua história, assim como fez Judas. Não analisamos suas palavras com a profundidade que merecem.
   Todos sabemos que um dia morreremos, que a vida é efêmera. Num instante somos meninos; no outro, idosos. Mas vivemos como  se fôssemos imortais. Adiamos a busca da sabedoria. Não perguntamos: "DEUS, quem é você?" Tomamos o melhor antibiótico quando estamos doentes, procuramos o melhor mecânico para concertar o motor do carro, verificamos minuciosamente o saldo da conta bancária, mas não nos preocupamos em desenvolver nosso inteligência  espiritual, em buscar DEUS de maneira inteligente.
   A maioria de nós estava, de alguma forma, sendo representada por Judas. JESUS morria por todos os que mancharam a própria história com algum tipo de traição. Judas o traía, e JESUS o perdoava. Mas um grande problema surgiu: Judas seria capaz de se perdoar?
   JESUS queria proteger a emoção de Judas quando o chamou de amigo. estava preocupadíssimo com seu sentimento de culpa. Sabia que o discípulo se torturaria. Nada perturbava mais do que se achar indigno de viver. A crítica dos outros talvez seja insuportável, mas nossa autopunição pode ser intolerável.
   JESUS era um homem seguro e de bem com a vida em situações inóspitas. Seu amor por Judas não cabe no imaginário humano. Sabia que Judas não era um psicopata que fere e mata sem se sensibilizar com a dor da vítima, sem qualquer sentimento de culpa. Paulo, o discípulo tardio, tinha uma agressividade e uma violência muito maiores do que as do traidor. Judas errava muito, mas era um homem sensível. O sentimento de culpa pala traição seria o maior teste da sua vida.
   Se Judas pudesse remover os espinhos e encontrar o perdão e o amor de Jesus, certamente seria um dos principais personagens entre os mais ilustres cristãos do primeiro século. viu JESUS sendo preso por sua causa sem se debater, mostrando serenidade num momento de enorme agitação. todos estavam tensos: Judas, a escolta e os discípulos. Só JESUS dominava seus impulsos. Só ele tinha controle da própria emoção.
   Ao afastar-se, Judas pôs-se a refletir sobre o comportamento de JESUS e começou a se angustiar. Caiu em si e disse que traíra sangue inocente. Tomou consciência de que traíra o mais inocente dos homens. Uma angustia dramática tomou conta do território da sua emoção, bloqueando os principais arquivos da sua memória. Não conseguia pensar direito. Não conseguia encontrar as sementes de JESUS nos arquivos bloqueados. O perdão, o amor e a compreensão não eram alcançados. Precisava recordar a parábola do filho pródigo, as palavras do sermão da montanha, as palavras no ato da traição, mas os fenômenos que constroem cadeias de pensamentos se ancoraram nas matrizes doentias da sua memória. A culpa o controlou.
   Quantos, neste exato momento em que você está lendo esta postagem, estão sendo torturados pelos sentimentos de culpa? Acham-se indignos de viver, de existir. Uma dose leve de sentimento de culpa pode gerar reflexão e mudança de rota. Mas uma dose alta é capaz de gerar auto-destruição.
   Judas não suportou. Pensou em morrer, achando que não haveria lugar na terra para um traidor, sobretudo o traidor do Mestre dos Mestres JESUS. Ninguém o compreenderia. Ele não suportaria conviver com seu erro. Ledo engano? Se usasse, para reconhecer seu erro e se arrepender, a mesma coragem que teve para trair, corrigiria a sua trajetória e brilharia. Não seria possível mudar o destino de JESUS, pois ele morreria de qualquer maneira, mas Judas mudaria o próprio destino.
   Quando o mundo nos abandona, a solidão é insuportável, mas quando nós nos abandonamos, a solidão é quase insuperável. Nunca devemos nos auto abandonar. Judas se abandonou. Não se perdoou. desistiu de si mesmo. Suicidou-se. Mas ele queria matar a própria vida? Não!
   Ninguém que pensa em suicídio ou que pratica atos suicidas quer exterminar a existência, mas a dor que solapa a sua alma. quem pensa em suicídio tem fome e sede de viver. Um pensamento sobre a morte é sempre uma manifestação de vida, é a vida pensando na morte. 
   A consciência não consegue pensar na inconsciência absoluta. A consciência não atinge, através do mundo das ideias, o nada existencial. Nenhum ser humano pensa em dar fim a vida, mesmo quando atenta contra ela. O que ele deseja é dar fim ao sentimento de culpa, a solidão, ansiedade, depressão.
   Há poucos dias uma jovem tentou o suicídio. Aflita, ela me procurou. Disse que tinha pensado, durante anos, em morrer. O motivo? Contou que seus pais não a compreendia, não conseguiam entrar no mundo dela. Pagavam escola, davam-lhe roupas, mesada e cobravam muito dela, mas não a conheciam. Ela queria conversar com eles sobre seus sonhos, suas dores, suas crises. Mas os pais só conseguiam corrigir seus erros, repreendê-la. Então, ela tentou o suicídio tomando vários remédios. Queria que, quando morresse, as pessoas pensassem nela. sentia uma grande carência. 
   Tive uma conversa séria e honesta com a jovem. Comentei que ela jamais deveria destruir sua vida por nada e por ninguém. Disse-lhe que se matar é a atitude mais frágil diante dos obstáculos da vida. Falei que nada é tão indigno quanto tirar a vida. Ela devia usar sua dor não para destruí-la, mas para torná-la mais forte. E afirmei que, no fundo, ela tinha fome de viver. Como muitos pacientes, essa jovem deu um salto emocional. O sorriso voltou ao seu rosto na primeira consulta.
   A pessoa que se suicida provoca cicatrizes na alma dos que a amam. É possível superar a mais longa noite e transformá-la no mais belo amanhecer. Não há lágrima que não possa ser estancada, ferida que não possa ser fechada, perda que não possa ser enfrentada e culpa que não possa ser superada. Os que transcendem seus traumas e erros tornam-se belos e sábios.
   APRENDA A SE PERDOAR. NÃO TENHA MEDO DA DOR. JAMAIS SE ESQUEÇA DAS SEMENTES DO MESTRE DA VIDA JESUS CRISTO.

LIVRO O MESTRE INESQUECÍVEL.
AUGUSTO CURY. 
DIÁCONO LUIS MARIANO SIQUEIRA. CARPINA - PERNAMBUCO 30/06/2013